Pesquisadores da Universitat Politècnica de València (UPV) na Espanha e da Universidade Estadual de São Paulo (UNESP) no Brasil desenvolveram um novo cimento com dois tipos de lixo: cinzas da semente de azeitonas e escórias provenientes de altos-fornos. De acordo com seus criadores, esse é o primeiro cimento fabricado até o momento em que todos os materiais utilizados são resíduos, o que o torna uma alternativa muito mais sustentável aos cimentos utilizados no setor de construção.

O processo de fabricação é muito simples. Os resíduos da combustão das sementes de azeitona e da escória dos altos-fornos são moídos, a dose apropriada de ambos é estabelecida e a água é misturada com tudo. Nos testes realizados até agora, o cimento continha aproximadamente 20% de cinzas de azeitona e 80% de resíduos de escória.

Grandes benefícios

O cimento de ativação alcalina fabricado pelos pesquisadores da UPV e da UNESP também apresenta um desempenho mecânico muito bom: permite obter resistências suficientemente altas para a sua aplicação na construção, especialmente em pré-fabricados.

Entre as suas novidades, os pesquisadores destacam a substituição do caro reagente químico sintético necessário em outros cimentos de ativação alcalina, pela cinza da semente de azeitona. Além disso, a preparação deste cimento não requer altas temperaturas , como ocorre com o cimento Portland, onde são necessárias temperaturas superiores a 1.400 ºC.

Este é o primeiro exemplo em todo o mundo onde um cimento alcalino ativado foi fabricado usando somente materiais de resíduos. O trabalho agora se concentra em melhorar a formulação para obter melhor desempenho mecânico e estudar sua durabilidade e opções de aplicações.

Fonte : Unesp

DEIXE UMA RESPOSTA