Os varejistas estão olhando para a robótica e a Internet das coisas para facilitar o e-commerce e melhor compreender e até mesmo antecipar as necessidades dos clientes. Algumas empresas com visão de futuro já estão realinhando suas operações logísticas para tirar proveito dessas tecnologias.

O crescimento do e-commerce depende da automatização

A Ocado, um supermercado online britânico, vende tudo o que você pode encontrar num supermercado tradicional, mas quando se trata de entrega online, a velocidade e eficiência são fundamentais, razão pela qual a empresa tem investido em automação desde que foi fundada em 2000.

A Ocado lançou recentemente em colaboração com a empresa de logística Tharsus, o Ocado Smart Platform (OSP), um sistema de comunicações sem fios que permite controlar até 1.000 robôs dentro de um único armazém. O sistema OSP inclui um design inovador para a automatização do armazém, e mostra como a robótica e o software podem ser comercializados em todos os setores.

Enquanto outras empresas dependem de trabalhadores humanos para encontrar e separar toda lista de produtos comprada pelo cliente online, a Ocado está usando um enxame de robôs para fazer o mesmo de forma mais rápida e eficiente, como mostra o vídeo. O novo sistema pode cumprir uma ordem de 50 itens em menos de cinco minutos, algo que costumava levar cerca de duas horas nas instalações só com humanos.

Do supermercado à mesa com a Internet das coisas

A Ocado utiliza a Internet das coisas para construir um sistema de entrega super rápido do supermercado para a casa do cliente. A sistema de grade contém recipientes organizados em camadas múltiplas, mantendo todos os 50 mil produtos que a Ocado vende em seu site. Quando os servidores recebem a lista de compras dos clientes, o software comanda um enxame de robôs para coletar todos os itens. Em seguida, eles seguem em direção a um local estático, onde um trabalhador humano aguarda.

O primeiro robô a chegar abaixa o recipiente e o entrega ao trabalhador humano, e depois se move para cumprir outras ordens. Outros robôs repetem o processo até o trabalhador completar toda a ordem e despachar a caixa com os produtos para entrega em domicílio. Outra empresa de tecnologia em logística que trabalha com o mesmo processo automatizado é a Auto Store.

A automatização vai acabar com os empregos?

Será que a Ocado está substituindo seres humanos por robôs? A empresa alega que emprega 13.000 pessoas e nenhuma delas teria um emprego se a Ocado não tivesse investido em automação e robótica. A força de trabalho dobrou nos últimos cinco anos, e foram adicionados 200 novos postos de trabalho num novo armazém da empresa.

Uma vez que todo modelo de negócio da Ocado foi construído a partir do zero em torno de pedidos online e automação, a empresa nunca teve lojas de varejo físicas ou dependeu exclusivamente de seres humanos para funcionar. Suas instalações anteriores tinham um sistema mais tradicional e mais lento que usava transportadores.

O novo sistema de grade é mais rápido, mas ainda emprega seres humanos em ambas as extremidades da cadeia de cumprimento e entrega. Então, talvez devêssemos considerar que a tecnologia robótica pode realmente gerar empregos humanos. Pelo menos por enquanto.

Fonte: roboticsbusinessreview

DEIXE UMA RESPOSTA