Imagine um belo livro de capa dura que vem embalado dentro de uma caixa plástica cujas páginas na verdade são filtros de papel que purificam completamente água contaminada? Para as pessoas em países em desenvolvimento ou localidades rurais, receber água limpa em breve poderá ser tão simples como abrir um livro e rasgar suas páginas.

Os mais recentes dados das Nações Unidas são de que 663 milhões de pessoas não têm acesso à água potável. Essa é a ideia por trás do The Drinkable Book ou “livro potável” desenvolvido por Theresa Dankovich em seu projeto de pós doutorado na Carnegie Mellon University.

Conheça um livro cujas páginas são filtros de papel que purificam água contaminada stylo urbano-1

Cada uma das suas páginas é feita a partir de uma folha com espessura de papel impregnada com nanopartículas de prata e cobre, que matam 99,9% dos micróbios na água contaminada que é filtrada através dele. Theresa começou a trabalhar na tecnologia quando ela estava em seu doutorado na McGill University, e depois continuou na University of Virginia’s Center for Global Health.

Ela já criou uma empresa sem fins lucrativos, Drinking Paper, para poder produzir e distribuir o seu livro globalmente. Esse com certeza é o “livro” mais útil que já ouvi falar.

Conheça um livro cujas páginas são filtros de papel que purificam água contaminada stylo urbano-2

Apesar de metais como a prata e similares têm sido conhecidos há séculos por ter a capacidade de matar bactérias, ninguém os tinha colocado ainda na forma de papel para purificar a água potável. Ao ganhar seu doutorado, Theresa Dankovich descobriu que os filtros de papel grosso incorporados com nanopartículas de prata e cobre poderiam fazer exatamente isso, eliminando uma grande variedade de microrganismos, incluindo bactérias e alguns vírus.

Cada página do livro é composto de dois filtros, cada um dos quais, por sua vez são capazes de limpar até 26 galões (100 litros) de água, e um livro supostamente seria capaz de lidar com as necessidades de água de uma pessoa por quatro anos. Caramba, isso é que é eficiência! Depois que o filtro é removido do livro, ele é colocado num suporte vazado que está dentro da caixa de plástico que guarda o livro,  que é então montado na parte superior onde um balde de 5 litros despeja a água suja através dele.

Em testes de campo realizados na África do Sul, Gana, Haiti e Quênia, o papel alcançou 99,9% de pureza ao filtrar água que contém grandes quantidades de bactérias de esgoto bruto. O trabalho da pesquisadora foi destaque no site da Agência de Proteção Ambiental e Organização Mundial de Saúde. E a campanha de financiamento desse projeto fantástico está no site Indiegogo.
Conheça um livro cujas páginas são filtros de papel que purificam água contaminada stylo urbano-6

Theresa agora está pensando em novos estudos de campo, para poder refinar ainda mais o design do livro. Ela vai apresentar seu trabalho no National Meeting & Exposition of the American Chemical Society em Boston. Mais informações estão disponíveis no vídeo a seguir.

DEIXE UMA RESPOSTA