Dia 10 de Fevereiro em Estocolmo, a H & M Conscious Foundation anunciou os vencedores do Global Change Award 2015. O desafio busca soluções inovadoras para tornar a economia circular uma norma na indústria da moda. Lançada em agosto e encerrada em Outubro de 2015, a competição recebeu candidaturas de mais de 2.700 inovadores de 112 países, cada um buscando receber sua parte no prêmio de  1 milhão de euros (cerca de US $ 1,1 milhões). Um júri de especialistas selecionou as cinco melhores ideias antes da votação aberta ao público para determinar como o financiamento seria concedido.

Os vencedores foram anunciados e os prêmios apresentados pela Princesa Vitoria da Suécia. O que é bom ressaltar sobre essa iniciativa da H & M Conscious Foundation, é que os vencedores ganham visibilidade internacional para seus projetos e poderão receber investimentos de outros fundos de risco para acelerar o desenvolvimentos dessas tecnologias, fazendo com que possam chegar ao mercado o quanto antes. Os vencedores são:

Finlândia: transformar os resíduos de algodão em novos tecidos

Esta tecnologia desenvolvida pelos pesquisadores da Aalto University da Finlândia, dissolve os resíduos têxteis do algodão através de uma nova tecnologia de reciclagem química com líquido iônico chamada Ioncell-F, para se obter a celulose que será usada como matéria-prima na produção de novos tecidos mais resistentes e de melhor qualidade que o original.

Além dos tecidos velhos de algodão, pode-se utilizar resíduos de papel velho misturados com polpa de madeira para se criar uma viscose sustentável como o Liocel. E a reciclagem química através o líquido iônico abre a possibilidade de se obter fibra de celulose de resíduos de frutas como abacaxi, coco e banana. O projeto foi desenvolvido primeiramente na Finlândia para atender a indústria de papel e celulose. Os vencedores levaram para casa 300.000 euros ou cerca de US $ 340.000.

Michael Hummel, a porta-voz da equipe, explicou a motivação do projeto: “A demanda por fibras sintéticas como o poliéster está em expansão, porque o mercado de algodão está estagnado. Este projeto vai aumentar o volume de algodão disponível sem todas as problemáticas associadas ao seu cultivo.”

Estados Unidos:  digestor de poliéster

A startup Ambercycle, criada pela equipe da Universidade da Califórnia, desenvolveu um micróbio para quebrar os resíduos de poliéster e transformá-lo em um material utilizável novamente. Sua inovação já chamou a atenção da empresa líder de capital de risco Y Combinator, o que mostra que eles estão no caminho para receber mais investimentos, pois essa tecnologia tem aplicações diretas na indústria de embalagens plásticas e também na indústria da moda.

Ambercycle também foi selecionada pela LAUNCH, uma espécie de incubadora de startups que tem se dedicado a solucionar o impacto ambiental, econômico e social dos métodos de fabricação atual até o ano de 2020. O prêmio de US $ 280.000 irá ajudá-los a continuar o desenvolvimento até que eles possam executar um projeto piloto para provar como utilizar essa tecnologia em grande escala.

H&M apresenta os vencedores do prêmio de economia circular Global Change Award 2015 stylo urbano-1

Estónia: mercado online para sobras de tecidos

De 10 a 15 por cento dos materiais utilizados na produção de tecidos são desperdiçados. Esta tecnologia permitirá que os fabricantes de vestuário possam controlar os resíduos, para que possam reduzir, melhorar a sua eficiência e ter retorno financeiro ao mesmo tempo. Esta equipa da Estônia criou um software para fabricantes de vestuário que reúne os dados em tempo real sobre o inventário de resíduos ligada aos processos de produção. Em seguida, ele conecta os produtores e fabricantes com os estilistas e designers para obter as sobras de tecidos da produção ao invés de atingir o ponto em que se torna resíduos. Seu prêmio foi de 150.000 euros.

H&M apresenta os vencedores do prêmio de economia circular Global Change Award 2015 stylo urbano-2

Itália: tecidos 100% feito de resíduos de laranja

Esta equipe duas estilistas da Itália transformou os resíduos da indústria do citrino ( cascas e sumo) em um tecido leve com toque de seda e de alta qualidade. Atualmente elas fazem amostras com pequenos volumes, mas pretendem usar os 150.000 euros em financiamento para fabricar em grande escala, em última análise, vender seu tecido para fabricantes de vestuário. Esta equipa está aproveitando sua proximidade com a capital da moda de Milão para trabalhar diretamente com os estilistas, mas também na esperança de viabilizar o seu produto.

H&M apresenta os vencedores do prêmio de economia circular Global Change Award 2015 stylo urbano-3
Este tecido feito de bagaço de laranjas poderia facilmente se passar por um bom raiom.

Holanda: crescer fibras têxteis sob a água

As algas crescem em oceanos, rios, lagos e cursos de água e tem alguns usos produtivos. Esta equipe transformou algas em um tecido utilizável. O fundador Tjeerd Veenhoven, criou esta solução, procurando por resíduos na natureza com o objetivo de transformá-los em itens utilizáveis. Com a doação da H & M Conscious Foundation, ele espera criar um fio durável e macio para produção em larga escala.

H&M apresenta os vencedores do prêmio de economia circular Global Change Award 2015 stylo urbano-4

O que todas essas tecnologias têm em comum é uma visão panorâmica da indústria da moda e um desejo de fazer grandes progressos na melhoria de suas eficiências, reduzindo o desperdício e se tornar uma cadeia de abastecimento linear para a economia circular. Talvez os vencedores possam um dia se tornar fornecedores e criar verdadeiramente um ciclo fechado para a economia circular na indústria da moda.

H&M apresenta os vencedores do prêmio de economia circular Global Change Award 2015 stylo urbano-5

DEIXE UMA RESPOSTA