O Ministério das Telecomunicações da Índia tornou obrigatório que as empresas de celular implementem um botão de pânico em seus aparelhos em resposta à enorme quantidade de casos de agressão sexual e violência contra as mulheres no país. O mandato entrará em vigor em 2017, e as empresas de telefonia deverão instalar recursos de emergência para as usuárias, pressionando o 5 ou 9 em seu teclado. Além do recurso de botão de pânico no próximo ano, os telefones também serão obrigados a ter de navegação GPS em 2018.

Desde que a Índia não tem um sistema de emergência 911 como nos EUA (eles tem quatro números diferentes para vários serviços), o governo também está introduzindo um número de emergência centralizada, 112, no final deste ano. O recurso de botão de pânico em telefones, então, trabalhar com esse número.

Segundo o site Bloomberg, o ministro das Comunicações Ravi Shankar Prasad disse em um comunicado que, “A tecnologia está destinada a tornar a vida humana melhor e uma das melhores formas de usá-la é para a segurança das mulheres.” O governo indiano está tornando a segurança das mulheres uma prioridade, pois a agressão sexual tem quase se tornado uma epidemia no país que é uma mistura de hinduísmo e islamismo. E no ocidente as pessoas acreditando que os indianos são todos “espiritualizados e pacíficos”.

Cerca de 86% dos estupros foram cometidos por familiares próximos, como pais, irmãos e tios, assim como vizinhos, empregadores, colegas de trabalho e amigos. Conforme relatado pela Reuters, o relatório de 2014-15 do National Crime Records Bureau revelou que havia 337.922 relatos de violência contra as mulheres, que inclui tudo, desde o estupro e abuso sexual até sequestro e crueldade por maridos. Este foi um aumento de 9% em relação ao ano anterior. Tanto quanto o estupro especificamente, havia 33.707 nesse período de tempo, com 1.813 só em Nova Deli, tornando-se a cidade com o maior número de tais casos.

Desde o aborto de fetos do sexo feminino, casamento infantil e violência doméstica, as meninas e as mulheres indianas enfrentam múltiplas ameaças, em grande parte devido a atitudes profundamente enraizadas que as vêem como inferiores aos homens. E isso se agrava com o antigo sistema das castas indianas onde pessoas nascidas em determinadas camadas sociais são tidas como inferiores ou superiores as outras. Na Índia existem 5 castas como: Brahmines, Kshatriyas, Vaishyas, Sudras e os Dalits. Os Dalits ou intocáveis são mais de 160 milhões de pessoas sem direitos.

Pessoas com a pele clara são bem vistas pela sociedade indiana e as de pele escura são discriminadas e grandes empresas de cosmética faturam milhões com essa discriminação racistas vendendo cremes clareadores de pele.  Uma onda de protestos públicos aconteceu após o estupro coletivo fatal de uma mulher em um ônibus em Nova Deli em dezembro de 2012 sacudiu o segundo país mais populoso do mundo fora da apatia e forçou o governo a promulgar penas mais duras sobre crimes de gênero. Este é um grande passo, não apenas para a segurança das mulheres, mas para todo mundo.

Espero que o próximo passo do governo seja o de abordar outras questões que as mulheres enfrentam no que diz respeito a questões de segurança, tais como a forma como são tratadas quando elas relatam ataques, ou educar as pessoas contra a prática de estupro. Ter acesso a um botão de pânico quando um potencial estupro ou violência está em andamento é ótimo, mas a prevenção nunca deve deixar de ser um objetivo, e os autores desses crimes devem enfrentar as consequências reais quando são presos e acusados.

DEIXE UMA RESPOSTA