Graças a pesquisa pioneira em nanotecnologia sendo desenvolvida pelos pesquisadores da Universidade RMIT, em breve as pessoas poderão ser capazes de substituir suas máquinas de lavar roupas por um pouco de luz solar. Os pesquisadores têm trabalhado desenvolver um novo tecido autolimpante através do crescimento de nanoestruturas sobre sua superfície. Quando expostos à luz, eles libertam uma explosão de energia que degrada a matéria orgânica no tecido.

Então, a luz solar ou mesmo uma lâmpada, poderiam eliminar as manchas e a sujeira. E eles disseram que o próximo passo poderia ser criar tecidos antibacterianos que poderiam matar superbactérias. Dr Rajesh Ramanathan, um dos investigadores da Ian Potter NanoBioSensing Facility e NanoBiotechnology Research Lab do RMIT, disse que a equipe trabalhou com nanoestruturas à base de cobre e prata, que são conhecidos por sua capacidade de absorver a luz visível.

“Basicamente o que fazemos é utilizar um tecido de algodão simples, depois usamos novas e diferentes metodologias para fazer crescer nanoestruturas diretamente sobre o tecido, e em seguida, uma vez que estas estruturas estão formadas podemos simplesmente  jogar luz sobre eles. Uma vez que a nanoestrutura é metálica, ela pode absorver a luz visível, isso basicamente excita as nanopartículas metálicas que estão presentes na superfície. E por causa dessa energia, é capaz de degradar a matéria orgânica que está presente no tecido se livrando das manchas.” comentou DR Ramanathan.

Dr Ramanathan disse também que, dos dois materiais, um trabalhava muito rápido, com o processo de degradação, levando entre 6 a 10 minutos. O outro demorou mais tempo, cerca de 30 minutos, mas é mais estável, para que haja um bom equilíbrio entre a estabilidade e a velocidade. O pesquisador disse que até agora eles só tinha testado em manchas e ainda não tinham começado a testar em suor, mas testaram alguns compostos orgânicos difíceis que serem degradados com êxito no processo.

Lavar roupas nunca mais! Cientistas criam tecido de algodão que elimina sujeira e bactérias com luz solar stylo urbano-1

“Portanto, agora o que estamos tentando fazer é usar mais produtos relacionados com o consumo, como manchas de vinho ou manchas de comida, e tentar ver o quão rapidamente eles podem se degradar, e quanto de material realmente é necessária para degradar estes tipos de manchas. O material poderia ser utilizada para combater supermicróbios” disse o pesquisador.

Mas antes que a equipe pudesse anunciar que as pessoas nunca mais precisariam lavar suas roupas de novo, Dr Ramanathan disse que ainda tinha para estabelecer os requisitos que a indústria e as autoridades reguladoras pediam.

“Nós temos algum entendimento, mas vamos precisar de mais compreensão do sistema e como ele funciona, e uma vez que obtivermos essa compreensão espero que no futuro próximo, sejamos capazes de criar tecidos de autolimpeza, para que possamos aposentar as máquinas de lavar em casa”, disse ele. Dr Ramanathan acredita que esta pesquisa poderia ser utilizada em outros campos:

“Em campos como a biologia ou tecidos antibacterianos, um dos problemas que o mundo inteiro está enfrentando são as superbactérias, e é muito difícil matá-las ou se livrar delas. Então, um dos potenciais aspectos deste material é que nós começamos a testá-lo em superbactérias e estamos tendo resultados surpreendentes.”

A pesquisa foi publicada na revista Advanced Materials Interfaces. A sustentabilidade e a inovação tecnológica andam de mãos dadas e a moda do futuro será muito mais eficiente, ética, sustentável e prática do que hoje.  Não seria maravilhoso ter roupas que não fedem, não se sujam e ainda não precisam ser lavadas?

Foto das nanoestruturas cultivadas em tecidos de algodão por pesquisadores da Universidade RMIT. Imagem ampliada de 150.000 vezes.

Lavar roupas nunca mais! Cientistas criam tecido de algodão que elimina sujeira e bactérias com luz solar stylo urbano-2

DEIXE UMA RESPOSTA