Será que é viável existir um país de livre comércio onde os impostos são voluntários e com mínima interferência do governo? Para Vít Jedlicka, que é um político libertário da República Tcheca e presidente da auto-proclamada micro-nação de Liberland isso é possível. Em outubro de 2015, a Liberland lançou um concurso internacional de design dando aos arquitetos uma oportunidade de projetar uma cidade inteira a partir do zero.

Depois de receber inúmeras propostas de alguns dos maiores escritórios de arquitetura do mundo, uma equipe de jurados selecionou o escritório RAW-NYC que projetou uma cidade sustentável alimentada por algas.

O estúdio de arquitetura interdisciplinar com escritórios em Nova York e Dubai é especializado em soluções sustentáveis de design urbano em escalas micro e macro. A sua proposta inovadora para Liberland é uma cidade de uso misto composta de vários camadas horizontais para acomodar a expansão vertical da população e economizar espaço.  Essa será a primeira cidade empilhável do mundo.

“Queríamos que a cidade fosse construída com uma camada horizontal de cada vez, onde é possível caminhar por toda parte e tudo está conectado“, disse o fundador da RAW-NYC Raya Ani. O layout empilhável é uma nova abordagem para a densidade urbana, que suporta um ambiente de cidade auto-suficiente e integrado com design focado nos pedestres.

Sustentabilidade foi um elemento importante na concepção da cidade. Isto é visto com diversas funcionalidades, incluindo painéis solares, telhados verdes e superfícies cobertas de algas colocados no lado de baixo de edifícios para produzir energia limpa. Nada iria para o lixo pois tudo poderia ser reciclado, incluindo todos os resíduos humanos, agrícola e orgânica, que seria convertidos em biocombustível,sistemas de colheira de águas pluviais e de biocombustíveis foram incluídas no projeto, e para se adaptar a inundação da planície, parques foram projetados para conter a inundação das águas.

Chamado de arqueologia invertida, esta técnica inovadora constrói a cidade-estado em camadas consecutivas para formar um tecido urbano auto-suficiente, compacto, denso, integrado e resiliente. O sistema de transporte da cidade será feito por bicicletas e veículos elétricos compartilhados para evitar excesso de transito e tornar mais eficiente e limpo o  transporte.

O projeto cria um ambiente propício à inovação, garantindo que todos os cidadãos, independentemente da sua etnia, raça, idade, sexo ou profissão, tenha todas as oportunidades para atingir seu pleno potencial e participar coletivamente dos ganhos financeiros. A cidade contará com fazendas verticais para produzir todo seu alimento.

O presidente Vít Jedlicka está agora vendo a viabilidade do projeto, mas parece confiante sobre as perspectivas da futura cidade: “Vamos estudar mais sobre o primeiro projeto para ver se e como exatamente ele poderia ser introduzido na realidade. Quando isso for possível, queremos lançar uma paisagem virtual 3D com os modelos das construções para ajudar as pessoas a escolher um lugar para morar ou investir.

Para fugir da repressão estatal e dos altos impostos, empreendimentos como o de Liberland estão surgindo em outros locais como o do Instituto Seasteading que pretende construir a primeira cidade flutuante do mundo auto-suficiente. Esse é o nascimento de uma nova civilização do século XXI onde o capitalismo de livre mercado e a sustentabilidade criarão uma abundância jamais vista. Liberland será a meca dos libertários de todo mundo e uma autêntica cidade sustentável do futuro.

Liberland terá a primeira cidade empilhável do mundo alimentada por algas stylo urbano

DEIXE UMA RESPOSTA