Anteriormente propriedade da São Paulo Tramway, Light and Power Company, o edifício de 1926 construído na Praça da Bandeira, 137 no centro de São Paulo já foi responsável pela distribuição de energia em toda rede elétrica da cidade. Em 2000 o Conpresp tombou a fachada do imóvel, para evitar sua descaracterização ou demolição. Após quase nove anos esquecido (o prédio foi desativado em 2004), a antiga Subestação da Light foi adquirida pela Red Bull Brasil, para ser a sede do Centro Cultural Red Bull Station.

Inaugurado em 2013, os seus cinco andares foram renovados pelo estúdio de arquitetura Triptyque para ser um espaço para criação de arte, música e cultura. Esse foi um belo projeto da Red Bull que deveria servir de exemplo para outras empresas, pois para quê demolir algo antigo se você pode reaproveitar de uma forma totalmente nova como foi o caso também desse galpão industrial abandonado em Amsterdam?

O estúdio Triptyque foi encarregado de restaurar a fachada do antigo edifício e criar um interior que combinasse um estúdio de música, três espaços expositivos, um terraço e uma cafeteria. Os arquitetos adicionaram uma escada de aço preto de um lado do edifício, ligando seus cinco andares para fornecer um fluxo fácil de circulação aos visitantes de cima para baixo, dentro e ao redor do prédio.

[metaslider id=18373]

Acompanhando as escadas está uma viga de aço que suporta o toldo de metal. Essa estrutura oferece um terraço coberto, que funciona como um espaço de exposição que apresenta a história da cidade.

O design côncavo deste toldo também permite a recolha da água da chuva, que pode ser usada para refrescar o edifício.

Os visitantes entram no piso térreo, onde a galeria principal está localizada. Aqui, uma mistura de concreto com pintura descascada é o resultado de anos de repintar feito pelos inquilinos anteriores.

Ao lado da galeria principal está um estúdio de música independente. O pesado módulo de concreto foi inserido no coração do edifício como uma estrutura independente que abriga o RBMA Bass Camp, um programa de imersão para os futuros profissionais da música. Há também um pequeno café que vende bebidas e alimentos.

Acima do piso térreo há um mezanino contendo escritórios que dá vista para o lobby na parte de baixo, enquanto o porão foi adaptado para criar um espaço de exposições e salas secundárias para ensaio de música.

O edifício foi completamente renovado respeitando os conceitos de patrimônio arquitetônico”, explicou a equipe. Uma intervenção contemporânea foi realizado a fim de adaptar o edifício ao seu novo papel como um centro cultural.

A pintura antiga do concreto continua exposta nos níveis superiores, onde seis oficinas foram criadas para residências artísticas. Por volta de cada uma das oficinas individuais, outro espaço de exposição chamado Galeria da Transição foi criado para hospedar projetos temporariamente.

“A essência do edifício histórico foi preservado, e a beleza de seus elementos foi reforçada”, disseram os arquitetos.

Esta não é a primeira vez que a Red Bull tem trabalhado com os arquitetos para criar espaços para artistas. Em 2012, o estúdio espanhol Langarita-Navarro Arquitectos preencheu um antigo armazém abandonado em Madrid, com casulos de madeira para os artistas e um jardim de plantas para fornecer uma academia nômade de música para a marca de bebidas.

Triptyque é um escritório de arquitetura franco-brasileira criada em 2000 por Grégory Bousquet, Carolina Bueno, Guillaume Sibaud e Olivier Raffaelli. Projetos anteriores incluem o fabuloso Praça das Artes também no centro de São Paulo, que dispõe de uma fachada do tabuleiro de damas feito de blocos de concreto e vidro.

Segue uma descrição do projeto pelo estúdio Triptyque:

O Centro Cultural Red Bull Station: uma ilha de cultura no centro de São Paulo

A cidade de São Paulo é um dos lugares do mundo onde a urbanidade é muito poderosa e intensa. Uma área onde a beleza das ruas e edifícios foi esquecido por muitos anos. Através da renovação de um edifício que foi construído em 1926, e anteriormente ocupado pela companhia Light, a repaginada Red Bull Station, aparece como um importante projeto de resgate da arquitetura histórica de São Paulo.

Baseado na Praça da Bandeira, o novo centro cultural foi criado para ser um espaço para as artes visuais e música através da produção e difusão de novas formas de expressão artística.

O edifício foi completamente renovado respeitando os conceitos de patrimônio arquitetônico. Uma intervenção contemporânea foi realizado a fim de se adaptar a construção do seu novo papel como um centro cultural. A essência do edifício histórico foi preservado, e a beleza de seus elementos foi reforçada.

Um elemento arquitetônico foi criado para acompanhar os visitantes durante toda a sua visita, a partir das escadas que interligam os numerosos espaços nos cinco andares da Red Bull Station. No telhado da estação, há um toldo de metal chamado “folha” que cobre o terraço.

De um lado do piso térreo está localizado a principal galeria, um espaço que abriga exposições de todas as formas de artes visuais, performances e concertos. Por outro lado, situa-se um volume de betão, cuidadosamente polido e esculpido que recebe um estúdio de música.

O porão foi convertido em um espaço de exposição e salas para ensaio de música. No andar de cima, seis oficinas foram criadas para residências artísticas que vão mudar a cada trimestre. Perto das oficinas individuais, a “Galeria de transição” temporariamente hospeda projetos em seu processo criativo. Engraçado é que a maioria dos próprios moradores e turistas da cidade de São Paulo nem conhecem esse fantástico espaço artístico. Vale a dica!

Gostou de como ficou a restauração do Centro Cultural Red Bull Station? Comente.

DEIXE UMA RESPOSTA