Anualmente milhões de toneladas de tecidos novos e velhos são descartados pelo mundo. À medida que a população cresce, aumenta a demanda e a necessidade por tecidos. Estima-se que irá aumentar de 3% para 4% ao ano, e esse crescimento irá demandar muito mais recursos, aumentando os custos e o impacto ambiental da produção de tecidos. Felizmente várias iniciativas começaram a procurar novas soluções e melhores opções para a moda sustentável. Duas dessas iniciativas são a Re: newcell e a Infinited Fiber.

Criada pelos suecos Henrik Norlin e Per Olofsson, a tecnologia Re: newcell  se baseia no aproveitamento dos resíduos têxteis velhos e dos retalhos que sobram da fabricação de roupas, que equivalem a 10% da produção, para depois reciclá-los. O foco principal da empresa é a reciclagem de algodão e outros materiais à base de celulose. A fibra de celulose regenerada é 100% reciclada e tem o mesmo toque e caimento da viscose mas produzida de forma muito mais sustentável.

Os resíduos têxteis são triturados, desfibrados e descoloridos num banho químico até virarem polpa de celulose. No processo, os produtos químicos são removidos, e o próximo passo é deixar a polpa secar até virar um papel fino, que será convertido em fio e depois tecido. Veja o video aqui. Esse processo aumenta a vida útil do material, onde o tecido pode ser reciclado quimicamente até sete vezes.

Os testes de laboratório tem sido feitos desde 2012, mas agora a empresa abriu uma fábrica piloto na cidade sueca de Kristinehamn que será a primeira linha de produção do mundo para a pasta têxtil de tecidos reciclados. Globalmente, existem cerca de 29 milhões de toneladas de fibras à base de celulose para reciclar a cada ano. A ambição da Re:newcell é retornar essas fibras para a cadeia de valor, de modo a criar uma indústria têxtil e de moda circular.

O futuro da moda sustentável : criar novos tecidos por reciclagem química de tecidos velhos stylo urbanoO mundo precisa de novas fibras que podem ser produzidas sem novos encargos sobre o meio ambiente. O sueco Petri Alava fundador da Infinited Fiber diz que a solução é a utilização da celulose extraída a partir de resíduos de papel e tecidos, que tem propriedades muito atrativas. A tecnologia foi desenvolvida pelo VTT.

Fibra de celulose que pode ser reaproveitada para sempre

A Infinited Fiber utiliza uma tecnologia desenvolvida pela VTT Technical Research Centre da Finlândia, que envolve a extração de celulose a partir de diversas matérias-primas ricas em celulose e a sua conversão em uma solução a partir da qual pode ser feito fibras novas. Após o uso, ele pode ser reciclado através do mesmo processo várias vezes, sem afetar a qualidade. Este processo é a origem do nome da empresa: infinited fiber “fibra feita para durar para sempre”.

As aplicações são várias como roupas, tecidos para o lar, produtos de higiene e tecidos técnicos. A fibra pode ser responsável por 100% destes produtos, ou formar uma parte principal de um tecido misto. A tecnologia desenvolvida está num estágio avançado na VTT e a Infinited Fiber começou a produção em 2017, no centro de pesquisa Bioruukki de VTT em Espoo.

Parte das atividades é a pesquisa orientada, feita ao lado de clientes. Atualmente estão desenvolvendo propriedades ideais para artigos como jeans e produtos de higiene e a base de clientes da empresa inclui tecidos para o lar, vestuário e produtos de higiene.  Os produtos vão entrar no mercado até o final de 2019 ou 2020.

O objetivo da Infinit Fiber é revolucionar as indústrias de produtos de moda e higiene com sua nova fibra celulósica, como algodão e viscose, mas fabricada com resíduos têxteis e de papel. O passo principal para a moda sustentável, o primeiro teste para produzir algodão sustentável com a fibra de roupas antigas através de uma linha de produção completa teve sucesso. Que venham as inovações tecnológicas para criar uma moda circular.

DEIXE UMA RESPOSTA