01 de setembro marca o 300º aniversário da morte do rei Luís XIV, o mais longo reinado de um monarca da França. Com 72 anos de trono, Luís eclipsou a Rainha Vitória por uma década. Mas esse tricentenário também comemora um começo: O nascimento de alta costura como as pessoas conhecem hoje com suas tendências sazonais, empresas, mídia, e acima de tudo, francesa. Quando Louis subiu ao trono em 1643, a capital da moda do mundo não era Paris, mas Madrid.

A moda tende a seguir o poder, e durante os últimos dois séculos ou menos a Espanha tinha desfrutando de sua Idade de Ouro, acumulando um vasto império global que alimentou uma economia doméstica em expansão. O estilo espanhol era estreito e rígido, tanto fisicamente e figurativamente e a cor era predominantemente o preto.

O Rei da Alta Costura: Como Luís XIV inventou a moda como a conhecemos stylo urbano-1

Não só o preto era considerado sóbrio e digno pela firme monarquia Católica dos Habsburg, mas a tintura preta de alta qualidade era extremamente cara, e os espanhóis exibiam a sua riqueza usando tanto dele quanto possível. Eles anunciavam suas ambições imperiais assim, e a Espanha importava corantes de suas colônias no México. Enquanto os exploradores e os exércitos da Espanha conquistavam o Novo Mundo, sua moda conquistavam o mundo, e estilo espanhol foi aprovada nos tribunais em toda a Europa.

O Rei da Alta Costura: Como Luís XIV inventou a moda como a conhecemos stylo urbano-2

Assim como os aristocratas franceses importaram suas modas da Espanha, eles compraram suas tapeçarias em Bruxelas, e suas rendas e espelhos em Veneza, e sua seda em Milão. Eles não tinham muita escolha pois a França simplesmente não estava produzindo bens de luxo de qualidade comparável, e ela não tinha a influência política, econômica ou cultural para ditar a moda para outros países. Isso até o reluzente “Rei Sol” Luís XIV entrar em cena com suas perucas e salto alto.

O Rei da Alta Costura: Como Luís XIV inventou a moda como a conhecemos stylo urbano-3
Luís XIV resolveu mudar isso, e, ao longo do seu longo reinado, ele conseguiu de forma brilhante. Luxo era o novo ideal do rei: Os móveis, tecidos, roupas e indústria de jóias que ele estabeleceu não só assegurava o emprego de seus súditos, mas fez da França a líder mundial em gosto e tecnologia. Seu astuto ministro das Finanças, Jean-Baptiste Colbert, disse a famosa frase de que “a moda era para a França o que as minas do Peru foram para a Espanha” em outras palavras, deu origem a um valioso mercado interno de luxo e de exportação extremamente lucrativa.

O Rei da Alta Costura: Como Luís XIV inventou a moda como a conhecemos stylo urbano-4

O reinado de Luís XIV transformou cerca de um terço dos habitantes de Paris em assalariados no comércio de vestuário e têxteis, e Jean-Baptiste Colbert organizou esses trabalhadores em guildas profissionais altamente especializadas e estritamente regulamentadas, garantindo o controle da qualidade ajudando-os a competir contra as importações estrangeiras enquanto efetivamente impedindo-os de competir uns com os outros.

Nada que pudesse ser fabricado na França foi autorizado a importação. Louis uma vez ordenou que seu próprio filho queimasse seu casaco, porque foi feito de tecido estrangeiro. Foi um plano de estímulo econômico imbatível. É daí que surgiu o famoso estilo de móveis Luís XIV.
O Rei da Alta Costura: Como Luís XIV inventou a moda como a conhecemos stylo urbano-5

Como Luís XIV travou uma série interminável de guerras dispendiosas por toda a Europa, a indústria de bens de luxo francssa reabastecia seu caixa de guerra e melhorava a reputação do rei em casa e no exterior. O rei transformou Versalhes que não passava de um pavilhão de caça real em ruínas enterrado no campo a 19 Km de Paris em uma vitrine para o melhor da cultura e da indústria francesa, e não apenas moda, mas a arte, música, teatro, jardinagem, paisagem e culinária.

Um rigoroso código de vestimenta e etiqueta foi imposta na corte assegurado um mercado estável para roupas e jóias de fabricação francesa. A maior sacada do “Rei Sol” foi ter criando o magnífico palácio de Versalhes que assombrou e causou inveja em todos os outros reinos. Nada como um palácio reluzente e gigantesco para tombar com a cara de todo mundo.

Palace-of-Versailles

O rei foi acusado de tentar controlar seus nobres, forçando-os a falência para seguir a moda francesa, mas, na verdade, muitas vezes ele financiou estas despesas, acreditando que o luxo era necessário não só para a saúde econômica do país, mas para o prestígio e a própria sobrevivência da monarquia. A França logo se tornou o poder político e econômico dominante na Europa, e a moda francesa começou a eclipsar a moda espanhola da Itália para a Holanda. O estilo Francês se tornou o novo preto.
O Rei da Alta Costura: Como Luís XIV inventou a moda como a conhecemos stylo urbano-7O rei e Jean-Baptiste Colbert empregaram toda a gama de meios de comunicação disponíveis no serviço de sua campanha de propaganda da moda. Como a historiadora de arte Maxime Préaud escreveu no catálogo para exposição do Getty Research Institute: Um Reino de Imagens: Gravuras franceses na Era de Luís XIV  “desde o início do reinado de Louis, ele sabia que as imagens tinham o poder de moldar a percepção.” Assim Louis subsidiou a produção de gravuras de moda por grandes artistas e gravadores franceses, a fim de promover produtos de luxo franceses e a cultura, tanto em casa como no exterior.

O Rei da Alta Costura: Como Luís XIV inventou a moda como a conhecemos stylo urbano-8

Ao invés de ser meramente descritivo e informativo, as legendas destas gravuras era destinado a um público internacional influente, sofisticado e divertido, atado com sarcasmo e insinuações sexuais. Muitas gravuras são elaboradas deixando as roupas falarem por si. Assim inúmeras gravuras se seguiram e chegaram a vários países, e tal estilo ainda pode ser encontrados hoje na Vogue, Elle e Marie Claire (para citar três publicações em língua Inglesa que devem mais do que apenas os seus títulos para a França).

Luís XIV acreditava que o luxo era necessário não só para a saúde econômica da França, mas para o prestígio e a própria sobrevivência da monarquia.

O próprio rei era o árbitro final do estilo. Como um ator num teatro, Luís XIV se auto proclamou “Rei Sol” em suas performances teatrais como Apollo e seu amor pelo dramático e esplendor infundido em seu guarda-roupa também fora do palco. A moda que ele introduziu era colorida, volumosa e ornamental, a completa antítese do estilo espanhol austero. Seu alto retrato idealizado aparecia nas gravuras de moda e suas escolhas de sapatos, tecidos e roupas eram relatados nas gravuras de moda da época. Com sua enorme peruca de cachos e sapatos com saltos vermelhos, o rei combinava a autoridade incontestável de uma Anna Wintour com o carisma de uma supermodelo.

O Rei da Alta Costura: Como Luís XIV inventou a moda como a conhecemos stylo urbano-9

Uma das inovações mais eficazes e de longo alcance de Jean-Baptiste Colbert era de que novos têxteis fossem lançados sazonalmente, duas vezes por ano, incentivando as pessoas a comprar mais deles, em uma programação previsível. Gravuras de moda foram muitas vezes rotulados de “hiver” ou “été” para o inverno ou para o verão, com adereços como chapéus de sol, lenços, e tecidos coloridos para o verão; para o inverno, havia peles, capas, e abafadores para homens e mulheres igualmente. Sedas leves foram reservados para o verão; veludo e cetim para o inverno.

O Rei da Alta Costura: Como Luís XIV inventou a moda como a conhecemos stylo urbano-11

Devido ao clima francês mutável, sempre houve um certo ritmo sazonal para o comércio de produtos têxteis, mas agora tornou-se formalizado e inescapável. Independentemente do tempo, a temporada de moda verão começou pontualmente no dia de Pentecostes (o sétimo domingo depois da Páscoa, ou seja, meados e final de maio), com roupas de inverno sendo usadas em 1 de Novembro, Dia de Todos os Santos. Ai da mulher que aparecesse na corte com um vestido de verão em 2 de novembro. Outros países tomaram nota dos bons resultados econômicos deste obsolescência planejada e começaram a impor horários sazonais semelhantes para seus próprios tecelões.

O Rei da Alta Costura: Como Luís XIV inventou a moda como a conhecemos stylo urbano-12
A moda também mudou sazonalmente na França. Considerando que a Espanha era orgulhosa da continuidade de sua moda escura e alfaiataria artificialmente imposta por leis religiosas, os franceses consideravam isso uma desconcertante estagnação. Não só foi a indústria da moda enriquecida pela constante atualização de guarda-roupas, mas os franceses tendiam a se cansar se uma tendência durasse muito tempo.

Dresses designed by John Galiano

Como o economista Jacques de Savary observou em seu tratado 1675 Le Parfait Negociant, “os franceses são naturalmente mutáveis” e a moda como a conhecemos hoje é um reflexo do caráter nacional, convenientemente alinhado com os objetivos econômicos do rei. O padrão exuberante de vida e o programa intrincado de etiqueta que o Rei Sol introduziu continuou a definir a monarquia francesa até a Revolução Francesa de 1789.

catwalk_yourself.hautecouture

O nome de Luís XIV continua a ser sinônimo com o antigo regime que a Revolução desmantelou: O absolutismo político, luxo incomparável, glória militar, e esquemas artísticos e arquitetônicos grandiosos. Mas, enquanto muitas de suas inovações e reformas não sobreviveram à selvageria da Revolução, a moda e a indústria têxtil fundada pelo rei ainda está forte, trazendo fama e fortuna para a França. Na altamente regulamentada e especializada indústria da alta costura, flores artificiais, bordados, brocados, botões e plissados continuam a ser feitos à mão usando as habilidades tradicionais e técnicas transmitidas a partir do século 17.

galliano_2502_wideweb__470x2650

Mais importante ainda, o legado de Luís XIV é evidente na atitude moderna da França em direção a moda; não é uma indústria frívola ou trivial, mas uma indústria totalmente séria, inseparável da saúde econômica do país e da identidade nacional. Como Susan Sontag observou certa vez: “Os franceses nunca compartilharam da crença anglo-americana que faz da moda o oposto do sério.” E viva ao Rei Sol Luís XIV que transformou a França na terra do luxo e glamour!

KIMBERLY CHRISMAN-CAMPBELL é uma historiadora de moda que mora em Los Angeles e autora do livro Vítimas da moda: Vestidos na corte de Luís XVI e Maria Antonieta.O Rei da Alta Costura: Como Luís XIV inventou a moda como a conhecemos stylo urbano-14

1 Comentário

DEIXE UMA RESPOSTA