O mundo futurista do desenho animado “Os Jetsons” está se tornando realidade. O primeiro robô emocional do mundo chamado Pepper criado pela empresa japonesa Softbank Robotics Corp. , fez sua estréia no Japão há quase dois anos e agora está se preparando para invadir os Estados Unidos. A empresa está abrindo sua primeira filial em San Francisco para desenvolver o robô nos Estados Unidos. O Pepper que atualmente roda com Linux, será capaz de rodar com Android, juntamente com um kit de desenvolvimento de software (SDK).

Durante o evento do Google I / O, que exibiu o futuro da internet e das tecnologias móveis, a Softbank anunciou que seu popular robô Pepper, que é um enorme sucesso no Japão, será comercializado em solo americano para que os desenvolvedores de software possam criar Kits de aplicativos para personalizar o robô. Pepper é um simpático e charmoso robô humanoide de 1,2 metros de altura com uma cara de criança na parte superior do corpo e tem  três rodas na parte inferior para se movimentar.

Ele tem um tablet no seu peito que pode ser utilizado para comunicação, mas também pode se comunicar através da fala. O Pepper pode analisar gestos humanos, expressões faciais e tons vocais. O robô humanoide foi desenvolvido para auxiliar as pessoas em alguns afazeres em casa além de servir como atendente em estabelecimentos comerciais. Com uma inteligência artificial baseada em nuvem, ele pode ser continuamente atualizado com novas informações.

Com o Pepper utilizando  o Android ele pode se integrar com outros dispositivos e sistemas Android, incluindo tablets, smartphones e dispositivos domésticos inteligentes. E este novo suporte de plataforma marca o início de um plano para finalmente trazer o Pepper para os EUA em 2016.  Segundo a Softbank Robotics America, o Pepper poderá custar na faixa dos US $ 1.800. Com a entrada do Pepper no maior mercado de consumo do mundo, que é o americano, os robôs pessoais vão começar a ser vendidos em massa e se tornar algo comum em 10 anos.

Devemos levar em conta que a população de países como Estados Unidos, Canadá, Europa, Japão e Brasil estão envelhecendo por causa da baixa taxa de natalidade, e a maioria da população dos países mais desenvolvidos serão de idosos em 15 anos.  O Brasil antes mesmo de se tornar um país desenvolvido como os EUA, Europa e Japão, vai se tornar um país de idosos já em 2030, diz IBGE. Veja mais matérias interessantes sobre o envelhecimento da população brasileira aqui e aqui.

O robô emocional Pepper está pronto para invadir os Estados Unidos em 2016 stylo urbano
O envelhecimento da população mundial será um dos maiores desafios para os governos do futuro.

Por isso a grande importância de automatizarmos tudo para facilitar a nossa vida e os robôs domésticos terão uma enorme importância nos lares das pessoas. Para pessoas que vivem sozinhas será imprescindível ter um robô pessoal para auxiliá-las. O Pepper é um prenúncio do que virá pela frente ainda mais com o supercomputador IBM Watson servindo como inteligência artificial do robô.

Com essa atualização para o Watson, o Pepper pode continuamente aprender e armazenar novas informações. Essa computação cognitiva vai torná-lo ainda melhor e mais natural ao interagir com pessoas. No Japão, o Pepper será usado para dar aulas de inglês nas escolas e uma colaboração recente entre a Pizza Hut Ásia e o MasterCard pretende usa o Pepper para atender e tomar os pedidos dos clientes nas lojas. É simplesmente fantástico!

O robô se aproxima dos clientes com um simples “Olá”, antes de ajudá-los com com seus pedidos, fornecendo recomendações personalizadas e outras ofertas que aparecem no tablet em seu peito, e ele também pode lhe dar um guia sobre a ingestão de calorias. Assim que seu pedido for feito, você pode pagar através do aplicativo “carteira virtual” MasterPass ou digitalizar um código QR no peito do Pepper.

A inteligência artificial aliada aos robôs,Big Data e a impressão 3D são parte da quarta revolução industrial que via transformar completamente a sociedade humana. O mundo do futuro de “Os Jetsons” já é uma realidade.

DEIXE UMA RESPOSTA