A internet e as novas tecnologias moldaram profundamente a forma de pensar da Geração Y que vai dos 20 aos 35 anos. Duas décadas atrás, Tyler Xiong e seus pais tiveram que viver em uma comunidade guiada pelos rigorosos ensinamentos socialistas de Mao Zedong. Hoje, Xiong é um empresário de tecnologia com 28 anos, e vive voluntariamente entre 500 pessoas em uma comunidade co-living no “Vale do Silício” perto de Pequim. Xiong tem dois pares de sapatos e menos de 10 roupas. Ele não tem carro e usa o Didi Taxi, um equivalente local do Uber. Sua filosofia: “se você pode alugar, porque ter um próprio“?

Diante de uma disparidade de riqueza entre os pobres e ricos na China e a maior desaceleração econômica em mais de duas décadas, milhões de pessoas como Xiong estão procurando lugares mais baratos fora das grandes cidades e estão rejeitando as armadilhas de consumo de um estilo de vida moderno. Em vez disso, eles estão abraçando a economia compartilhada num grau muito maior do que as pessoas no ocidente.

Em uma recente pesquisa, a Nielsen constatou que 94% dos chineses estão dispostos a compartilhar, em comparação com apenas 43% dos norte-americanos, tornando-os de longe o mais receptivos ao conceito. 78% dos brasileiros segundo a pesquisa, se disseram favoráveis ao compartilhamento e os europeus e americanos se mostraram mais reticentes.

Os jovens da geração Y na China são os maiores adeptos mundiais da economia compartilhada stylo urbano-1

A ironia histórica de viver e trabalhar em uma comunidade compartilhada não passa despercebido por Xiong, que diz: “É um pouco estranho, porque quando estávamos crescendo, fomos forçados a residir em municípios estatais pelo governo. A diferença agora é que eu escolhi estar aqui e é por isso que eu estou feliz “.

Os jovens da geração Y na China são os maiores adeptos mundiais da economia compartilhada stylo urbano-2
Tyler Xiong usa um conjunto de calça e moletom de urso de pelúcia em seu alojamento no You +, que ele divide com três funcionários de sua startup de Bitcoin. Isso é que é ser zen.

Tyler Xiong é uma das 5.000 pessoas em toda a China que se mudaram para espaços de co-living chamado YOU +, um nome que inspira os jovens a expandir infinitamente seus horizontes. Sua comunidade, localizada em uma escola fechada, realiza workshops empresariais, ajuda novas startups a se firmarem e agora está tentando criar um banco de dados para combinar habilidades e relacionamentos. Existem cerca de 60 startups na unidade de co-living YOU +  no “Vale do Silício chinês” de Pequim. O esporte nacional dos chineses é copiar tudo o que o ocidente faz.

Os jovens da geração Y na China são os maiores adeptos mundiais da economia compartilhada stylo urbano-3

O YOU + tem similares no Ocidente, onde startups como Common (EUA), Nest Copenhagen (Dinamarca), WeLive (EUA), The Collective (Inglaterra) e Sende (Espanha) estão vendendo a jovens urbanos um estilo de vida co-living. Esses são só alguns mas existem muitos outros como se pode ver no site da Startup Retreats. Apoiado pelo bilionário chinês Lei Jun, fundador da Xiaomi Corp., uma das maiores fabricantes de smartphones do mundo, o projeto YOU + terá até o final do ano quase 20 dessas comunidades em toda a China, a maioria em grandes cidades como Pequim, Xangai e Guangzhou.

Pagando tão pouco como US $ 500 por mês, os residentes da YOU + moram numa kitinet com uma pequena sala, área para dormir e banheiro e tem acesso a um espaço comunal de coworking e instalações de entretenimento, incluindo um bar, discoteca e sala de jogos. O que mais um jovem empreendedor da geração Y poderia querer? A kitnet do YOU + é melhor do que muitas que existem nas cidades brasileiras que custam muito mais.

o_19o5bm8ft1skb16ta758289d4l9-min o_19o5bmgncn6m1leakea1crn4gq9-min

“Em vez de trabalhar durante anos em uma empresa para ganhar algum capital, esse lugar permite que os jovens experimentem suas ideias de novos negócios a custos muito baixos”, diz Su Di, o co-fundador de 36 anos da YOU +, que vive com sua esposa no mesmo bloco como Tyler Xiong. “Eles conhecem novas pessoas, tem novas idéias constantemente, e é por isso que cada vez mais pessoas estão abraçando o conceito de co-living.”

Os jovens da geração Y na China são os maiores adeptos mundiais da economia compartilhada stylo urbano-5
Su Di, o co-fundador de 36 anos do You +

A história comum da China combinada com as mudanças sociais e econômicas atuais, está conduzindo o rápido crescimento da economia colaborativa ou compartilhada, um conceito com uma definição instável, mas se caracteriza como uma maneira de ganhar dinheiro alugando ativos subutilizados tal como um carro estacionado ou apartamento temporariamente vago.

Segundo o empresário Tyler Xiong: “Há um elemento vibrante de compartilhar o poder do cérebro quando as pessoas trocam idéias umas com as outros em um espaço como este”, acrescenta. “Em certo sentido, o cérebro é o ativo subutilizado.” 

Na verdade o governo chinês vê que a economia compartilhada pode favorecer o desenvolvimento econômico pois quanto mais jovens inovadores forem para espaços de co-living como a YOU +, mais empresas de serviços e tecnologia vão surgir para aumentar as exportações do país. A economia compartilhada gerará US $ 335 bilhões em 2025, acima dos US $ 15 bilhões de hoje, de acordo com a empresa americana de consultoria PricewaterhouseCoopers.

A China não tem escassez de campeões locais neste setor. A Didi Taxi, é o maior concorrente local do Uber, está atualmente avaliado em cerca de US $ 16,5 bilhões e a Tujia, uma versão local do Airbnb, vale US $ 1 bilhão. Serviços equivalentes para vestuário, equipamentos desportivos e até mesmo animais de estimação estão surgindo em todo o país.

Os jovens da geração Y na China são os maiores adeptos mundiais da economia compartilhada stylo urbano-7
O pátio do YOU + de Pequim que anteriormente era uma escola

Achei muito interessante essa proposta da YOU + mas é bom lembrar que a China não é um país onde exista o capitalismo de livre mercado como Singapura, mas sim o “Capimunismo” uma mistura surreal de capitalismo com comunismo onde todas as grandes “empresas privadas” chinesas tem participação do governo. Esse sistema gerou um enorme abismo entre os ricos e pobres e criou a coisa mais absurda que só existe na China: 500 cidades fantasmas construídas do zero onde não mora quase ninguém. 
Os jovens da geração Y na China são os maiores adeptos mundiais da economia compartilhada stylo urbano-8

“A economia compartilhada é um novo sistema econômico que está entrando no cenário mundial”, diz Jeremy Rifkin, economista e autor de A Sociedade com Custo Marginal Zero. “O pai capitalismo tem alimentado esta nova criança, e a deixará crescer e encontrar sua nova identidade.” Segundo o economista, depois de séculos nos quais o capitalismo conseguiu levar várias dimensões da vida humana para a esfera econômica, o processo começou a se reverter.

Para Rifkin, isso é fruto do próprio dinamismo do sistema. A busca incessante por produtividade teve tanto sucesso que levará a um ponto no qual o custo marginal – ou seja, o custo de produzir um produto ou serviço vai beirar a zero. Eu escrevi sobre isso no meu post: Um novo sistema cooperativo radical emergirá do colapso do capitalismo.

Própria evolução de Tyler Xiong reflete uma mudança geracional nas atitudes em relação à riqueza, status social e bem-estar. Durante os anos de crescimento acelerado da China, homens e mulheres jovens foram para as cidades costeiras em expansão e obviamente quiseram adquirir bens materiais que seus pais nunca tiveram: apartamentos, carros, férias de luxo. Tyler Xiong fez a mesma coisa. Cresceu na cidade de Chongqing, e se mudou para a província costeira de Jiangsu para estudar ciência dos alimentos e engenharia. Ele se tornou um dos poucos em sua classe para conseguir um emprego em uma empresa multinacional.

Os jovens da geração Y na China são os maiores adeptos mundiais da economia compartilhada stylo urbano-10
Moradores compartilham um espaço de trabalho em YOU + em Pequim

Mas depois de dois anos trabalhando em Xangai como gerente numa grande fábrica de gomas de mascar, Xiong decidiu que a “corrida de ratos” não era o que queria. Ele foi para a Espanha estudar Economia Austríaca, e no ano passado, ele co-fundou uma startup de Bitcoin em Pequim. “No passado, eu sempre ficava hospedado em hotéis de cinco estrelas”, diz Xiong. “Agora eu fico em lugares pequenos, mas eu não acho que isto é necessariamente um passo para trás. Esta não defino isso como status social.”

Hoje, ele compartilha um quarto com três outros, cada um pagando cerca de US $ 300 por mês. Xiong originalmente queria ficar temporariamente no YOU + , mas abandonou seus planos de sair depois de fazer uma boa amizade com seus companheiros de quarto. Os quatro ocasionalmente alugam uma das camas desocupadas através do Airbnb para ganhar dinheiro e conhecer novas pessoas.

Apesar do fato de que sua empresa gerou cerca de US $ 3 milhões de Bitcoin do ano passado, sua cama é um colchão de solteiro sobre uma base de concreto. Ele prefere investir seu dinheiro de volta na sua startup de moeda digital. Perto da entrada do edifício ergue-se uma placa de boletim cheio de post-its rosa e amarelo procurando vários tipos de serviço – uma massagem nas costas em troca de andar com o cão, por exemplo. Há também vagas para 60 startups na comunidade.

Você busca uma forma idealista e apaixonada de mudar nosso mundo“, grita um. “Não está conformado com as normas existentes?”, Diz outro. “Nós queremos você.”

Os jovens da geração Y na China são os maiores adeptos mundiais da economia compartilhada stylo urbano-11
Funcionários de uma startup na comunidade de co-living YOU + em Pequim.

Como qualquer arranjo comum, a YOU + tem regras. Os casais são bem-vindos, mas as crianças não são permitidas porque o estilo de vida não é considerado propício para criar uma família. Pessoas com mais de 45 são desencorajadas, mas não é uma regra rígida. Dos moradores é esperado que cooperarem e colaborarem. Na porta da cozinha pública no co-living de Pequim está um aviso com um código QR convidando os residentes a participar de um grupo pelo aplicativo WeChat de mensagens. Eles discutem regras e dividem tarefas de limpeza, sem supervisão.

Naturalmente, a convivência com outras pessoas pode parecer divertida até surgir conflitos. Companheiros barulhentos são uma queixa comum. É por isso que um projeto YOU + em Guangzhou agora tem uma eleição semi-anual para escolher os residentes mais queridos e impopulares para incentivar um melhor comportamento.”Esta experiência só começou“, diz Su, co-fundador do YOU + . “Mas você pode imaginar que haverá consequências reais para as pessoas.”

Alguns dizem que o conceito YOU + não é especialmente novo e o compara com um Kibbutzim comum que surgiu no século passado em Israel. Mas Tyler Xiong diz que o que torna diferente das comunas da geração dos seus pais é o respeito pela propriedade privada e da forma como a tecnologia permite compartilhar algo ao invés de possuí-lo sem rodeios.

Eu sou o responsável por meu tempo“, diz ele. “Mas esta é também a minha escolha.”

 Fonte: bloomberg.com

o_19a532pprco51qu9qu2at1j8c9-min

DEIXE UMA RESPOSTA