A empresa de automação Softwear Automation, em colaboração com a Georgia Tech, estão trabalhando numa nova tecnologia que permitirá que os robôs, conhecidos como sewbots, possam manipular facilmente tecidos através de máquinas de costura tradicionais para fabricar roupas. Os Estados Unidos perderam 67% dos postos de trabalho na indústria de vestuário entre 1978 e 2007. Com a ajuda dos sewbots, a etiqueta “Made in USA” vai voltar a fazer parte da indústria da moda americana.

“Os produtos americanos voltarão a ser competitivos com aqueles fabricados no exterior”, disse Sundaresan Jayaraman, professor da Georgia Tech. “Os consumidores não terão que esperar até que os produtos cheguem da China, pois eles serão feitos aqui.”

Outro dos benefícios da fabricação dentro do país é o custo de transporte dos bens. O combustível permanece caro, e o custo de transporte dos itens aumenta o preço dos produtos acabados. Trazer a fabricação de roupas de volta para a América vai ajudar a manter os custos baixos e erradicar o problema da exploração de trabalhadores nas fábricas de roupas da Ásia.

Automação de fabricação de roupas e como funcionam os Sewbots

A indústria de vestuário ficou para trás em comparação com a indústria automotiva, devido ao problema do tecido ser flexível. Quando o tecido se movia, as máquinas não conseguiam acompanhar esse movimento. Graças a um novo software, os fios individuais podem agora ser detectados no tecido e rastreados mesmo quando o tecido se desloca, permitindo costuras retas.

As máquinas podem agora seguir o tecido”, disse o CEO da SoftWear, KP Reddy. “Elas podem flexionar, dobrar ou girar e ainda ser capazes de rastrear o tecido, sabendo onde estão as intersecções desses fios no tecido.”

Os Sewbots estão trazendo a etiqueta "Made in USA" ​​de volta à moda americana stylo urbano

Interesse por esta tecnologia

Fabricantes e varejistas expressaram grande interesse por esta tecnologia de corte, graças ao seu potencial de redução de custos e ao fato de que a demanda do consumidor pode ser atendida em tempo hábil, mesmo quando muda rapidamente. Os desenvolvedores esperam que a roupa saia das prateleiras de lojas, reduzindo custos, permitindo mais customização. Os sewbots estão sendo testados atualmente na Geórgia/EUA, a lar do projeto de pesquisa.

Com essa tecnologia automatizada de fabricação, os jovens estilistas podem fabricar as peças que necessitam, sem quantidade mínima e sem ter que arcar um altos estoques de roupas prontas graças a tecnologia sewbot. As oportunidades são infinitas, porque a máquina pode fazer cada parte diferente com uma mudança simples na programação.

Os militares são os principais patrocinadores

Os militares dos Estados Unidos estão financiando o projeto de pesquisa sewbot, através de um contrato emitido pela Agência de Projetos Avançados de Pesquisa Avançada dos Estados Unidos. As regras atuais afirmam que os uniformes militares devem ser feitos no país, e o cumprimento dessas regras tornou-se mais difícil, já que a indústria têxtil continua se mudando para o exterior.

Desafios enfrentados pela indústria

Os sewbots vão tornar obsoletos a mão de obra humana na fabricação de roupas, podendo produzi-las mais rápido e com custos menores. Os novos trabalhadores criados com a introdução dos sewbots serão altamente qualificados pois deverão cuidar da programação das máquinas. O sewbots representam um grande avanço na tecnologia.

A Associação Americana de Vestuário e Calçados informa que 97% de todo o vestuário nos Estados Unidos é importado. É hora de trazer a etiqueta “Made in USA” nas roupas vendidas na América, e os sewbots ajudarão a tornar isso possível. Mas a mesma realidade vai acontecer nos países europeus e demais países do mundo.

Informações obtidas da Forbes e PR News Wire

Você sabia que os empregos menos qualificados irão desaparecer nos próximos 5-10 anos, devido ao elemento humano sendo substituído por máquinas autônomas? Neste fantástico vídeo de 15 minutos (com legendas em português), você pode começar a reconsiderar a sua segurança no trabalho.

DEIXE UMA RESPOSTA