Pesquisadoras do Departamento de Tecidos e Vestuário da RMUTT e da Faculdade de Economia e Tecnologia Doméstica, têm colaborado com o Instituto Têxtil da Tailândia (THTI) para transformar a fibra de coco verde em tecidos com características antibacterianas especiais que atendem as necessidades de pessoas idosas. A equipe de pesquisa obteve as fibras de coco verde para suas pesquisas da K Fresh Co. na província de Samutsakorn, uma empresa tailandesa que exporta cocos verdes para mais de 30 países.

As pesquisadoras Sakorn Chonsakorn, Rattanaphol Mongkholrattanasit, Natadon Rungreankitkai e Supanicha Srivorradatpaisan, têm utilizado o desperdício da fibra de coco verde proveniente do mesocarpo (a casca maior do coco) para produzir tecidos através da pressão de vapor, um processo livre de químicos para extrair rapidamente as fibras e depois amaciá-las. A proporção dos fios de fibras de coco verde para o rayon é 20:80, resultando em fibras No. 20 Ne.

Em seguida, as fibras No. 20 Ne passam pelo filatório de anel para produzir tecidos feitos de fibra de coco verde, que possuem características e propriedades superior a outras fibras naturais antibacterianas especiais. Além disso, a água nas fibras de coco verde são adequados para a produção de tecidos para os idosos.

Pesquisadoras tailandesas transformam fibra de coco verde em tecidos funcionais stylo urbano-1

Atualmente, a equipe de pesquisa aplicou os resultados de suas pesquisas para produzir sapatos para idosos pois os pés mudam sua estrutura com a idade, e usar calçados que não se encaixam podem afetar a saúde. Para resolver estes problemas, os sapatos são antiderrapantes e tem propriedades anti-odor. O processo utilizado pelas pesquisadoras tailandesas para amaciar as grossas fibras do coco e poder transformá-las em tecidos sustentáveis é semelhante ao desenvolvido pela empresa holandesa StexFibers com as fibras de cânhamo. Mas a fibra do coco já está sendo comercializada para fazer tecidos sustentáveis utilizando o carvão ativado.

Pesquisadoras tailandesas transformam fibra de coco verde em tecidos funcionais stylo urbano-2
Imagens da RMUTT

O coco é uma das frutas mais completas que existem na natureza, um pequeno milagre. Sua polpa branca e água são cheios de minerais e eletrólitos, uma ótima fonte de energia que salvou a vida de muitos náufragos e também são utilizados em medicamentos e cosméticos. Durante séculos, o interior da fruta era tudo o que importava mas agora, através de um processo chamado Cocotex, pode-se transformar a grossa casca externa do coco em carvão ativado para fabricar de um tecido respirável e resistente misturando o carvão ativado com o fio de poliéster reciclado Repreve, produzindo um tecido sustentável que a marca californiana Vissla utiliza para fazer boardshorts.

Utilizar tecidos feitos a partir de matérias como a fibra da casca do coco e garrafas PET, colabora com a redução do lixo no oceano e nos aterros pelo mundo. Os boardshorts Vissla feitos com Cocotex são a combinação perfeita de ecologia e tecnologia, criando um tecido com propriedades de alta resistência, elasticidade, repelente de água e odor. O Cocotex impede que o tecido absorva a água e grude na pele, por conta do carbono que tem como característica as tramas abertas, fazendo a peça secar mais rápido e afastar as moléculas de odor que ficam presas na superfície do tecido.

DEIXE UMA RESPOSTA