Simplesmente adorei essa iniciativa dos americanos. Todos nós sabemos como a política é um antro de corrupção comandada pelos políticos que dizem ser os “representantes do povo” mas na verdade representam seus próprios interesses, os de seus partidos e principalmente, os interesses das grandes empresas que financiam suas milionárias campanhas políticas.

Alguns moradores do estado da Califórnia nos Estados Unidos, se cansaram dessa simbiose escandalosa entre políticos e grandes empresas e estão querendo aprovar uma lei que exige que os legisladores e candidatos para as eleições de 2016, ostentem os logos das empresas que doam dinheiro para suas campanhas para que os eleitores saibam quem está por trás deles. O grupo de defesa que lançou a medida, California is Not for Sale disse o seguinte:

“Imagine o seguinte: o senador da Califórnia está falando em público e propõe um projeto de lei que acaba de elaborar e que dará às empresas de petróleo enormes vantagens fiscais. Agora imagine se o terno que ele está usando tenha os logotipos da Chevron, Shell, BP e alguns de seus dez maiores contribuidores. Nossa lei vai trazer a corrupção para os holofotes e expor esses políticos que recebem contribuições para suas campanhas em troca de favores, mostrando aos eleitores o que eles realmente são:. Corruptos “.  

Os brasileiros sabem muito bem como isso funciona pois estamos vivenciando os escândalos intermináveis de corrupção do governo petista e seus comparsas da “elite branca” formada por grandes empresários donos de empreiteiras, montadoras, cervejarias e bancos.

Políticos da Califórnia poderão ser forçados a usar os logotipos de seus doadores corporativos stylo urbano-1

O idealizador da lei, John Cox, é um empresário de San Diego e defensor de longa data de uma reformar na legislatura da Califórnia, que é repleto de escândalos de corrupção, com o do legislador do estado, envolvido em vários escândalos e múltiplas violações da ética, como a de reunir-se com 24 executivos de grandes empresas e chefes sindicais, que financiam suas viagem para canalizar fundos através de uma organização sem fins lucrativos.

No final de agosto de 2015, o grupo organizou um protesto em frente ao prédio do Capitólio do estado, onde colocaram vários recortes em tamanho natural de mais de 121 legisladores estaduais, incluindo o governador Jerry Brown. Eles foram todos decorados com logotipos de seus doadores corporativos, de Monsanto a AT & T e Walmart. A manifestação foi bem recebida, chamando a atenção significativa dos transeuntes e dos próprios legisladores.

No final de outubro, John Cox apresentou oficialmente um pedido para adicionar a medida à votação de 2016. Além de exigir que os legisladores usem os logos de seus dez principais contribuidores cada vez que aparecem no Legislativo, a medida proposta também exigiria que os candidatos políticos divulguem os seus dez principais doadores em anúncios políticos.

Após a apresentação da petição, John Cox disse: “É um sistema corrupto e isso tem que mudar“, e acrescentou dizendo que “se eles não recebem qualquer dinheiro, eles não têm de usar quaisquer etiquetas.” Ele explicou que sua meta não era para constranger e atacar os legisladores ou corporações, sindicatos e lobistas, mas sim, para aumentar a conscientização sobre a grande influência do dinheiro de grupos de interesse na política. “Eu acho que muitos deles provavelmente são boas pessoas. Mas eles são capturados em um sistema corrupto“, disse ele.

O grupo já começou a recolher assinaturas em toda a Califórnia. Eles devem receber 365.000 assinaturas para garantir um lugar na cédula de 2016, e estão confiantes de que irão cumprir a exigência. Ryan Smith, um coordenador do California is Not for Sale, disse ao site americano Antimedia,“Nós recebemos uma quantidade enorme de apoio da comunidade até agora. As pessoas adoram esta idéia. Suas vidas inteiras elas se sentiram impotentes e abusadas ​​pelos políticos, e nossa medida coloca o poder de volta em suas mãos.” Sem surpresa, a iniciativa atraiu críticas dos legisladores que receberam doações de empresas para advogar em causa delas e não da população.

Políticos da Califórnia poderão ser forçados a usar os logotipos de seus doadores corporativos stylo urbano-2
O governador da Califórnia Jerry Brown apreciando seu boneco com os logotipos das corporações que bancaram sua campanha política para “recolherem os frutos” depois .

 Smith disse que a organização tem recebido e-mails irritados de alguns legisladores exigindo que o grupo pare de usar recortes em tamanho real de sua imagem com os logotipos das empresas que doaram para suas campanhas. Os políticos não estão acostumados a transparência e a dar satisfações de seus apoiadores financeiros.

O político Rocky Chávez reconheceu que a política precisa de mais transparência, ele argumentou que “se todos que receberam dinheiro de empresas para suas campanhas saíssem enfeitados como motoristas de carro de corridas seria um elemento de circo que não beneficiaria o público.” Ele sugeriu que em vez disso os candidatos a legisladores colocassem seus dez principais doadores em seus sites, embora isso provavelmente significaria muito menos exposição do que exibi-los no comício diante do eleitores. Tá vendo como os políticos “amam” a transparência?

Questionado sobre a afirmação de Chávez de que a lei proposta criaria um “elemento de circo“, Smith respondeu: “Você sabe o que é um circo? Os políticos podem abertamente receber dinheiro das corporações e sindicatos e não têm qualquer responsabilidade depois. É uma piada completa. Se Chávez não gosto disso, eu tenho uma solução brilhante para ele: pare de arrecadar dinheiro. Problema resolvido, circo evitado!

De qualquer forma, uma coisa é clara: como John Cox disse: “Essas pessoas não vão mudar isso por conta própria.” E depois concluiu, “Os bilhões gastos pelas empresas e sindicatos na política já foi longe demais. Os cidadãos comuns não têm uma voz e é hora que mudar isso. Ao destacar o dinheiro investido na política, podemos aumentar a conscientização em torno deste problema da corrupção e dar aos cidadãos a voz que eles merecem.” Segundo Ryan Smith, “o referendo proposto é apenas o primeiro de vários passos que o grupo vai lançar nos próximos anos, tudo com o objetivo de acabar com a corrupção política no nosso país”.

Fonte: Antimedia

DEIXE UMA RESPOSTA