No passado, as roupas de boa qualidade duravam muitos anos, mas atualmente, as roupas são feitas para ser descartáveis. Esta é a Era do fast fashion, onde a norma é produzir roupas baratas que se desgastam rapidamente e podem ser jogadas fora. O vestuário descartável, no entanto, criou um grave problema ambiental. As roupas de má qualidade que são jogadas fora frequentemente acabam em aterros sanitários, onde levam muitos anos para se degradar.

Existem vários centros de recolha de roupas usadas que limpam as peças para revendê-las em bazares e brechós e outros programas que destroem as roupas velhas e usam as fibras como panos de limpeza, enchimentos para estofamentos de carros, em tapetes e outros produtos. Mas muitas desses resíduos têxteis acabam em aterros sanitários. Vários cientistas finlandeses acreditam que uma melhor opção seria nos “vestir com descartáveis”, fazendo novas fibras das antigas e transformá-las em roupas novas. Eles desenvolveram um processo químico que pode fazer exatamente isso. É a reciclagem química com líquido iônico.

“Tenho certeza de que teremos de viver com o fenômeno do fast fahion”, disse Herbert Sixta, professor e chefe do departamento de tecnologia de fabricação de produtos químicos na Universidade de Aalto, em Espoo, na Finlândia. Mas “com todo o empilhamento de lixo, é do interesse de todos encontrar uma solução”.

O objetivo dos cientistas era encontrar uma maneira de processar as antigas misturas de algodão e poliéster, dissolvendo a celulose no algodão (a celulose é um componente principal das paredes celulares da planta e das fibras vegetais) sem afetar o poliéster, e depois fiar a solução de celulose em novo Fibras.

Os pesquisadores da Universidade de Aalto apresentaram suas pesquisas em uma reunião da American Chemical Society  (ACS).Você pode ver a conferência de imprensa completa com Simone Haslinger e o Dr. Michael Hummel  abaixo.

Pesquisas anteriores descobriram que muitos líquidos iônicos (sal no estado líquido) são capazes de dissolver a celulose, mas o material resultante não pode ser usado para produzir novas fibras. Cerca de cinco anos atrás, no entanto, Sixta e seus colegas encontraram um líquido iônico que poderia dissolver a celulose da polpa de madeira, produzindo um material que poderia ser transformado em fibras.

Os cientistas testaram para ver se também poderiam trabalhar em misturas de algodão e poliéster, e descobriram que poderia. As diferentes propriedades do poliéster e celulose trabalharam a seu favor, diz Simone Haslinger, candidata de doutorado na universidade e colaboradora de Sixta. Os pesquisadores conseguiram dissolver o algodão sem afetar o poliéster.

Eu poderia filtrar o poliéster depois que o algodão se dissolveu“, disse Haslinger. “Então, foi possível, sem mais etapas de processamento, girar as fibras fora da solução de celulose, que poderia então ser usada para fazer roupas“.

Para aproximar seu método de comercialização, Sixta e seus colegas estão testando se o poliéster recuperado também pode ser transformado em fibras utilizáveis. Eles também estão explorando maneiras de ampliar o processo e analisar formas de reutilizar corantes de roupas descartadas. Este avanço, no entanto, provavelmente fará pouco para satisfazer os grupos ambientais que combatem a poluição da indústria têxtil. Eles acreditam que os fabricantes devem se concentrar na criação de roupas feitas de materiais puros, isto é sem misturas de fibras diferentes, desde o início, em vez de separá-los depois em um processo complicado.

A verdadeira inovação para tornar a indústria do fast fashion mais sustentável não reside em mais soluções de reciclagem de alta tecnologia e química intensiva, mas em uma mudança de mentalidade radical“, disse Kirsten Brodde, líder do projeto da campanha “Detox my Fashion” no Greenpeace, que lançou várias publicações críticas das práticas da indústria da moda.

“Precisamos reduzir massivamente o sistema atual de superprodução desperdiçadora e substituir a moda barata e descartável com roupas duradouras que podem ser verdadeiramente valorizadas – e vamos cuidar delas, compartilhá-las e repará-las”, disse Brodde.

Reciclagem química de tecidos é uma solução ecológica para reduzir o desperdício e poluição do fast fashion stylo urbano-1
Consumo mundial das principais fibras têxteis. O poliéster virgem e algodão comum são os mais consumidos e as fibras mais poluentes e consumidoras de água.

Mas Sixta não acredita que a indústria do fast fashion vá mudar suas atitudes e insiste que a tecnologia que ele e seus colegas desenvolverão resultará em produtos de “alta qualidade”. “Queremos não só reciclar vestuário, mas queremos realmente produzir os melhores tecidos possíveis, de modo que as fibras recicladas sejam ainda melhores que as fibras nativas”, disse ele.

Mas ele admite que eles enfrentam muitos desafios antes que o processo possa funcionar em grande escala. Por exemplo, o setor precisa estabelecer uma maneira eficiente de recolher roupas velhas para processamento e upcycling, um mecanismo que agora não existe. “O problema-chave na reciclagem de têxteis é a falta de logística”, disse Sixta. Mas isso vai mudar através da tecnologia da Internet das coisas voltada a economia circular.

Além disso, antes de aplicar a tecnologia, os fabricantes precisarão descobrir exatamente quais materiais estavam na roupa original. Sem essa informação, será difícil, se não impossível, subjugá-los. “Nós podemos lidar com a ciência, mas talvez não possamos saber que corante foi usado porque não está rotulado”, disse Sixta. “Você não pode apenas alimentar todo o material no mesmo processo”.

Os cientistas concordam que o sistema só funcionará se a indústria têxtil desenvolver um sistema que possa rastrear e gravar os materiais e produtos químicos usados ​​durante a produção original para que possam ser classificados adequadamente para o upcycling.

Reciclagem química de tecidos é uma solução ecológica para reduzir o desperdício e poluição do fast fashion stylo urbano-2

“Não há sistemas adequados ou estratégias para classificar resíduos têxteis“, disse Haslinger. “Uma vez que os tecidos estão dispostos, geralmente não sabemos mais do que eles foram feitos. As pessoas podem ter cortado as etiquetas de composição das roupas que descrevem a composição do tecido. Às vezes, as descrições também não são precisas o suficiente para aplicar condições de processo adequadas”. Enfim, é uma completa bagunça e falta de transparência do processo produtivo.

Além disso, “quase todos os tecidos são tingidos com corantes quimicamente diferentes, mesmo que você apenas examine roupas de jeans“, acrescentou. “Atualmente, também estamos planejando manter a cor original dos tecidos tingidos ao longo de nosso processo de reciclagem, mas ainda não sabemos como diferentes tintas podem afetar o processo”. A equipe, que apresentou suas descobertas no encontro nacional da American Chemical Society, está colaborando com uma marca de moda finlandesa e pesquisadores da escola de artes e design da universidade, para elaborar amostras de novos tecidos de seu processo.

“Estamos produzindo tecidos, roupas, panos de mesa, cachecóis, etc.”, disse Sixta. “Dois vestidos foram apresentados em diferentes desfiles de moda, e mais estão chegando”. Os pesquisadores dizem que os testes de eco-toxicidade realizados até agora mostram que o líquido iônico é seguro, embora “mais trabalho seja necessário“, disse Sixta. Por enquanto, o processo só funciona em algodão puro ou misturas de algodão e poliéster “porque estas são as mais abundantes no mercado”. Sixta disse.

“O processo também funcionaria para qualquer outro tecido misturado de celulose e poliéster, como o viscose-poliéster, o rayon-poliéster, tencel-poliéster, lyocell-poliéster, etc. Também posso imaginar que ele também poderia ser empregado em outros produtos de fibras sintéticas, mas isso ainda precisa ser testado “. Eles não tentaram em lã, disse ele, acrescentando: “Nosso próximo alvo é a seda“. Os pesquisadores receberam apoio financeiro do projeto Trash-2-Cash da União Européia e do governo finlandês .

Fonte : nexusmedianews

DEIXE UMA RESPOSTA