Uma equipe de pesquisadores da Nottingham Trent University (NTU) desenvolveu uma “balaclava inteligente” que pode aquecer o oxigênio antes de ser inalado para reduzir o risco de atletas contraírem infecções pulmonares durante exercícios no frio. Em parceria com a fabricante de máquinas de tricô Stoll, a NTU criou um protótipo para ajudar os corredores e os esquiadores que ficam frequentemente expostos a um grande risco de infecções.

A balaclava faz parte de uma série de peças de vestuário esportivas que a Stoll criou em sua sofisticada máquina de tricô 3D, 32 BW CMS ADF, para ilustrar o potencial da sua tecnologia. A máscara é totalmente lavável, possui as qualidades da malha 3D para um ajuste mais confortável e listras refletivas que podem ser vistas no escuro. “A balaclava é a prova de que a comunicação entre a indústria e investigação científica, aumenta o grau de inovação”, comentou Joerg Hartmann, Chefe de Moda e Tecnologia da Stoll.

Tecnologia

A máscara de malha 3D esconde fios elétricos condutores sobre o nariz e a boca, que emitem calor quando carregados com uma corrente elétrica que é acionada na parte de trás da máscara, que contém um polo positivo e negativo para ligar uma bateria de pilha recarregável. A energia elétrica não pode ser sentida pelo utilizador pois a corrente é muito baixa. Mas quando a bateria estiver carregada e em funcionamento, faz aquecer a área ao redor do nariz e da boca.

“Este balaclava é a ponta do iceberg do que pode ser alcançado através de pesquisa colaborativa em têxteis inteligentes”, disse o professor Tilak Dias, líder do grupo de pesquisa em tecidos avançados da Faculdade de Arte e Design da Nottingham Trent University.

“Ao usar fios elétricos condutores que são tão pequenos que não podem ser sentidos pela pele humana, nós somos capazes de fornecer um nível consistente de calor a uma peça de roupa para que o corredor possa respirar apenas em ar quente.”

É um bom exemplo de como os tecidos inteligentes podem ser usados para melhorar a vida das pessoas. Com a aplicação de tecidos aquecidos, podemos ajudar a reduzir o risco de atletas contraírem doenças relacionadas com o frio”.

A balaclava faz parte de um conjunto esportivo de tecnologia vestível criado pela Stoll formado por legging, regata, moletom, luvas e  sutiã esportivo ambos feitos em malha (veja aqui). A tecnologia de tricô 3D vai tornar possível fabricar roupas inteligentes e conectadas com sensores e painéis fotovoltaicos orgânicos inseridos diretamente em trama da roupa que podem monitorar a saúde do usuário, fazer o tecido mudar de cor, se aquecer ou esfriar, absorver energia cinética e solar para alimentar outros dispositivos eletrônicos e se conectar a “Internet das roupas”.

Fonte: NTU

Stoll cria balaclava inteligente de tricô 3D para prevenir infecções pulmonares stylo urbano

DEIXE UMA RESPOSTA