A tecnologia da realidade virtual (VR) promete ser um divisor de águas na cultura humana maior ainda que a invenção da internet.  Tanto a realidade virtual como a realidade aumentada estão em seus estágios iniciais de lançamento para o grande público mas pelo que se vê nos diversos desenvolvimentos de programas e aplicativos, o mundo em que vivemos vai ser divido em “antes da VR e depois da VR”.

A realidade virtual tem inúmeras aplicações nas mais diversas áreas mas atualmente ela está sendo mais utilizada nos games e no entretenimento. A realidade virtual promete ser um negócio de bilhões de dólares. Alguns analistas do mercado de alta tecnologia estimam que até final deste ano possam ser vendidos mais de 13 milhões de óculos de realidade virtual. Até 2020, esse número deverá chegar aos 97 milhões de unidades.

Você conseguiria salvar um pequeno gato, caminhando em uma prancha instalada no topo de uma enorme arranha-céu? Esta impressionante e estonteante experiência de realidade virtual é uma das atrações da VR ZONE Project i Can, um centro criado pela Bandai Namco para fazer o público descobrir as maravilhas da realidade virtual. Com sede em Tóquio, na ilha de Odaiba, o VR ZONE Project irá abrir em 15 de abril de 2016.

Tem medo de altura? Prepare-se para o vertiginoso mundo da realidade virtual stylo urbano

O interessante na realidade virtual é notar como nossos sentidos podem ser facilmente enganados por causa da parte mais antiga e primitiva chamada “Cérebro Reptiliano”, que controla o lado mais animal e instintivo do ser humano. Na primeira camada temos o cérebro mamífero que está relacionado às emoções, e por último está o Neocórtex que é a camada mais externa e genuinamente humana, onde opera o raciocínio.

O Cérebro Reptiliano se encarrega das funções mais básicas: Sobrevivência e Reprodução.  A sobrevivência se assemelha a um “sistema binário”: Fugir ou Lutar. Não aprende com seus erros, não tem capacidade de sentir e nem de pensar: Sua função é a de AGIR. Quando o Cérebro Reptiliano se ativa ele tem total prioridade sobre os outros dois cérebros – Emocional e Racional. Veja como a parte primitiva do cérebro controla a reação dos usuários:

É aí que você constata como pode ser facilmente enganado pelo seu próprio cérebro e isso pode ser visto na reação das pessoas quando usam os óculos VR, pois embora estejam seguras o lado instintivo do cérebro acredita que o que está vendo é real e que corre riscos. Mas ao mesmo tempo essa tecnologia está sendo usada por psicólogos para tratar pessoas que tem vários tipos de fobias entre eles lugares altos e fechados. Outro fator interessante é que a qualidade gráfica do ambiente na realidade virtual nem precisa ser alta para que o cérebro reaja ao que está vendo.

Para quem adora adrenalina, montanha-russa é uma enorme diversão mas junto com a realidade virtual, a viagem pode ficar muito mais louca. O próximo nível de montanha-russa é a Six Flags Over Georgia criada em colaboração com a Samsung Gear VR e a Oculus, permitindo aos usuários entrarem num mundo virtual totalmente diferente e perfeitamente sincronizado com os movimentos do carro preso á montanha-russa.

A cena que é apresentada em 360 ​​graus no óculo VR é a de um futuro próximo onde você é um soldado treinado como co-piloto num avião de combate, lutando contra uma invasão alienígena na Terra. Na experiência, o que é real e o que é ficção fica difícil para o cérebro discernir pois tudo está perfeitamente sincronizado. Esse é um passeio de montanha russa que ninguém vai esquecer.

A Samsung apresentou no Congresso Mundial de Comunicações Móveis deste ano em Barcelona, uma impressionante viagem virtual de montanha russa. Com assentos adaptados à sensação de movimento e uns óculos de realidade virtual, era possível andar de montanha russa, acelerar nas descidas vertiginosas e gritar com medo das quedas, embora nada daquilo fosse real e estivéssemos sempre no mesmo lugar.

O novo parque temático de realidade virtual THE VOID é tido como o “futuro do entretenimento” e abriu suas portas em Utah, nos Estados Unidos neste ano de 2016!Misturando realidade virtual e realidade aumentada, o sistema utilizado combina óculo de realidade virtual HD, som 3D, controladores nas luvas, jaquetas sensíveis, tudo em um ambiente físico real!

DEIXE UMA RESPOSTA