As lojas de varejo estão sofrendo uma crise de identidade, com os clientes migrando cada vez mais para lojas de comércio eletrônico, muitas lojas de tijolo e argamassa estão procurando novas maneiras de manter a experiência de compra física relevante para os consumidores. Atualmente as lojas físicas encontram-se numa encruzilhada, pois a tática de montar em um só lugar uma seleção de produtos que podem ser facilmente comprados e levados para casa, não é o que costumava ser a 30 ou 40 anos atrás.

Se as lojas físicas querem competir com suas concorrentes mais convenientes (e geralmente mais baratas) as lojas online, elas terão de oferecer experiências únicas e personalizadas que façam o consumidor achar que vale a pena sai do sofá. A expectativa seria convencer os clientes a irem até a loja para aprender mais sobre os produtos e participar da personalização do que está comprando experimentando diversos materiais.

Experiências sensoriais com a realidade virtual

As lojas físicas atualmente podem ajudar aos clientes experimentarem sensações visuais, auditivas e táteis através do mapeamento de projeção que torna e exibição dos produtos uma experiência dinâmica e interativa de decobertas. Já as lojas online podem contar com a tecnologia da realidade virtual, que muitas empresas agora estão experimentando para criar experiências de compras imersivas.

Por exemplo, o fabricante de roupas ao ar livre The North Face recentemente colaborou com a empresa de realidade virtual Jaunt para deixar que os clientes em suas lojas usassem óculos VR para fazer um tour virtual no Parque Nacional de Yosemite, ou praticamente escalar um penhasco ao lado de atletas famosos. “Cada marca quer estabelecer uma conexão emocional com seus clientes”, disse Eric Oliver, diretor de marketing digital da The North Face. “Nossa missão é inspirar o cliente a ter uma vida de exploração através da tecnologia VR, para que ele sinta a ação, e depois de ter descido o penhasco, talvez o cliente sinta a necessidade de comprar algum equipamento de escalada.”

A realidade virtual também pode replicar a experiência de compra na loja inteiramente, como fez a agência de marketing SapientNitro e a plataforma de realidade virtual Sixense, através da experiência imersiva chamada vRetail. A plataforma transporta os usuários em um showroom digital com roupas e sapatos virtuais, onde os usuários podem experimentar e pegar nas peças com um avatar digital.

Os manequins vão falar com você

Os manequins que a maioria das lojas usam para mostrar suas mercadorias estão prestes a ficarem “inteligentes”. Uma startup chamada Iconeme adicionou implantes elétricos nos manequins que podem se comunicar com os smartphones nas proximidades. Um cliente com o aplicativo Iconeme pode aprender mais sobre a roupa que o manequim está usando e até mesmo fazer compras sem problemas através do aplicativo. Iconeme apresentou a tecnologia no ano passado em diversas lojas em Londres.

“Queremos desenvolver um maior engajamento com nossos clientes”, disse o gerente da empresa, Edward Smith, em um comunicado de imprensa. “Podemos ter um feedback instantâneo e vendas imediatas, com os manequins expostos nas vitrines das lojas, mesmo que elas estejam fechadaas. É uma mudança de jogo completo para a indústria do varejo.”

As lojas vão te rastrear e identificá-lo

Em uma das cenas icônicas do filme Minority Report, quando Tom Cruise entra em um shopping center e todos os anúncios começam a falar diretamente com ele, conhecendo seu histórico de compras somente digitalizando suas retinas? Isso não está tão longe de acontecer. Uma empresa chamada Hoxton Analytics oferece um sistema que pode determinar a demografia de um cliente.

Em vez de digitalizar seus globos oculares, esta tecnologia funciona através da digitalização e identificação de seus sapatos. O objetivo é ajudar as empresas a entender melhor os clientes e os padrões de tráfego. A empresa assegura que o sistema “não recolhe dados pessoais, ele não armazena fotografias individuais, nem pode reconhecer indivíduos.”

Os varejistas também estão empregando tecnologia “beacon“, que interage com o smartphone de um cliente para que ele saiba sobre descontos e promoções que pode gostar na loja, com todas as guias, assim a empresa sabe quem está comprando e por quanto tempo. Mais de 200 shoppings nos EUA já estão usando beacons em lojas como a Macy. A tecnologia permite que as marcas e profissionais de marketing possam acessar seu app e entregar uma mensagem personalizada relevante para você, como o usuário de aplicativo.

Para não serem ultrapassadas pelo e-commerce as lojas de varejo terão que investir em alta tecnologia stylo urbano-1

Os provadores das lojas serão inteligentes

A marca de luxo Rebecca Minkoff em parceria com o eBay criou provadores “inteligentes” com espelhos touch-screen,-sensores de movimento, e capacidade de monitoramento para acompanhar os itens que os clientes trazem para o provador, mas não compram.  Os provadores poderiam enviar as clientes atualizações sobre itens a qual mostraram interesse, ou queriam em um tamanho ou cor diferente.

Espelhos inteligentes para escolher qual melhor roupa

Uma pequena empresa chamada Memomi criou o espelho inteligente MemoryMirror que captura todos os movimentos da cliente através de três câmeras que fica no topo do espelho e utiliza uma tecnologia patenteada de ajuste de imagem para se tornar indistinguível do espelho comum. O MemoryMirror utiliza a tecnologia digital para colocar lado a lado roupas com cores e estilos diferentes em ângulos também diferentes para que a cliente possa compará-los. Quando a cliente se movimenta na frente da câmera, o espelho captura a imagem para que ela possa ver a roupa nos mais diferentes ângulos.

Na versão da Cisco, os espelhos inteligentes do futuro vão dispensar a prova de roupa pois poderão simular virtualmente a roupa no corpo da cliente e mostrar como ela ficaria com os mais diversos looks.

O mapeamento de projeção enriquece a exposição dos produtos

O mapeamento de projeção é uma forma de realidade aumentada, que mistura a tecnologia de projeção, aspectos da geometria projetiva, óptica, computação gráfica e arte experimental. Essa interessante tecnologia está começando a desempenhar um papel no mundo da moda dando aos clientes uma impressão virtualizada de uma coleção inteira de roupas sem alterar a vestuário dos manequins.

Outra forma de utilizar o mapeamento de projeção é posicionar os projetores sobre os balcões de exposição dos produtos criando efeitos visuais e auditivos estimulantes para que o cliente participe da interação de uma forma lúdica e divertida.

A customização 3D ajuda os clientes a criarem seu próprio produtos

Na loja da Shoes of Prey, as clientes tem a disposição 12 estilos diferentes de calçados femininos e 170 materiais para escolher o tom e a textura que lhe agrade para poder, através de um software de customização 3D no iPad, ter a possibilidade de criar 300.000 trilhões de combinações, com uma ampla gama de opções de tamanhos e estilos, como a altura do salto, tipo de couro e cor.

Depois de feita a customização do sapato no iPad e aprovado o pedido, o sapato vai ser feito à mão e depois enviando para a casa da cliente em alguns dias. Dentro da loja as clientes vão poder interagir com os modelos e materiais expostos para usarem sua criatividade na criação de seus “sapatos dos sonhos”. Esse é um diferencial que tanto uma loja online como uma loja tradicional não tem como imitar.

DEIXE UMA RESPOSTA