No dia 5 de outubro, a startup Vegea apresentou no prestigiado Vigna di Leonardo Da Vinci sob o patrocínio da cidade de Milão, a primeira coleção de bolsas, sapatos e vestidos de “couro vegano” feito de resíduos de uva. A coleção de moda da Vegea revelou a grande versatilidade do material, suscitando grande interesse das principais marcas, investidores e imprensa internacional.

A Vegea ganhou recentemente o prêmio de inovação “Fashion Awards PETA 2017”, uma das organizações de proteção animal mais ativos do mundo.  Gianpiero Weaver, fundador e CEO da Vegea que está sediada na incubadora para startups Progetto Manifattura, ganhou em 2016 o primeiro prêmio no concurso Global Change Award da H & M pela produção de um inovador material que simula couro através da extração da casca da uva, talos e sementes obtidas a partir do processo de fabricação do vinho.

Clique no link a seguir para ver as fotos da coleção de moda Vegea.

Gianpiero criou seu “couro de uva” feito dos resíduos do processamento do vinho, como uma alternativa ao couro animal que é muito utilizado ​​na indústria da moda. As sementes e casca da uva contêm compostos multifuncionais que podem se tornar a base ideal para a criação do biomaterial que simula couro como também do novo projeto “fios de vinho” que será utilizado na produção de tecidos inovadores.

O projeto “fios de vinho” agregará mais valor aos resíduos das cascas e sementes de uva pois todos os anos, as vinícolas que estão colaborando com a Vegea, produzem 1.200 kg de resíduos de vinha por hectar, e para lhe dar uma ideia da escalabilidade deste projeto, só na Itália existem cerca de 650.000 hectares de vinhas, e no mundo, cerca de 7,5 milhões de hectares.

Gianpiero patenteou o processo de produção e está disposto a continuar a investir em pesquisa e desenvolvimento. A Itália mais uma vez mostra que é o centro do design, luxo, inovação e sustentabilidade na moda. Primeiro lançaram o Orange Fiber, fio têxtil feito 100% dos resíduos da fabricação de suco de laranja, depois surgiu o Pellemela , um “couro vegano” feito dos resíduos da fabricação de sidra e suco de maçã e agora o Vegea. Como havia dito num post anterior, a moda do futuro será feita dos resíduos de frutas e alimentos descartados, e as startups italianas estão liderando essa inovação para uma indústria da moda circular.

The new “yarn from wine” to be woven into innovative textiles🍷🍇👗🍇🍷 We developed another important project in order to give more value other than to grape skins and seeds also to vineyard pruning waste as these contain specific multifunctional components that we can use to produce a yarn to be woven into innovative textiles. Every year, the wineries we are collaborating with, produce 1200 kg of vineyard pruning waste per hectares, and to give you an idea of the scalability of this project, let’s consider that in Italy alone, there are about 650.000 hectares of vineyards and in the world we can count about 7.5 millions hectares. We patented the production process and we are willing to continue investing in research and development. #fashion #textile #innovation #sustainability #madeinitaly #wine #design

A post shared by VEGEA (@vegeacompany) on

DEIXE UMA RESPOSTA