Sempre surgem novas modelos para dar uma nova cara a indústria da moda, como foi o caso de Naomi Campbell,  Alek Wek, Kate Moss, Christy Turlington, Tyra Banks, Linda Evangelista, Iman Abdulmajid, Gisele Bündchen e agora Cara Delevingne. Mas todas elas são diferentes da modelo negra Winnie Harlow. Como você pode ter notado pelas fotos, a modelo de 21 anos de Toronto sofre de vitiligo, uma doença crônica da pele que produz manchas de pigmentação quando o sistema imunológico ataca a melanina do corpo, mas isso não impediu Winnie em seu sonho de ser modelo.

Winnie Harlow, a modelo negra que mudou a cara da moda stylo urbano-1

Tudo começou quando ela tinha quatro anos de idade e começou a experimentou na pele o bullying de toda a escola onde as crianças freqüentemente a chamavam de “vaca”, graças às manchas de pigmentação, levando-a a desistir da escola aos 16. Mas foi graças a ex-modelo Tyra Banks que Winnie, nome real Chantelle Brown-Young, encontrou se equilíbrio como uma……….modelo.

Winnie Harlow, a modelo negra que mudou a cara da moda stylo urbano-2

Como uma fada de histórias infantis do século XXI, Tyra Banks encontrou Winnie através de sua conta no Instagram e a convidou para um teste no Next Top Model America, o show que ela criou, produz e atua como juíza principal. Winnie entrou no programa mas foi eliminada no quarto episódio. Ela retornou na sequência do nono episódio através de uma alteração das regras e, eventualmente ficou em sexto em toda a competição.

Winnie Harlow, a modelo negra que mudou a cara da moda stylo urbano-3

Depois do programa de TV, ela foi contratada pela marca espanhola Desigual para estrelar suas campanhas e desfilar durante a primavera/verão 2015 no London Fashion Week show, e estrelou em 2015 campanha primavera / verão da Diesel. Ele não termina aí. Ela também teve um papel de protagonista nos clips musicais de Eminem e de Sia Guts, fez fotos para as revistas Vogue Italia, Complex, Glamour e Dazed & Confused e voou para a Inglaterra convidada pelo famoso fotógrafo Nick Knight para ser o tema de um dos projetos do seu SHOWstudio.

Para finalizar, ela foi convocada para falar no TED Talk e abordar a questão “O que é a beleza?”

Ela atende pelo nome de Winnie Harlow na modelagem, mas Chantelle Winnie para outros empreendimentos. Como ela explica em seu site: “Chantelle Brown-Young é o meu nome real. Winnie é o meu apelido que me foi dada quando era adolescente e ele ficou comigo. Eu combinei meu verdadeiro nome e meu apelido para criar “Chantelle Winnie”. Meu alter ego onde eu procuro confiança quando eu trabalho como modelo é “Winnie Harlow.”

Winnie Harlow, a modelo negra que mudou a cara da moda stylo urbano-5

Ela agora possui quase 900 mil seguidores no Instagram e recebe mais de 20 mil ‘likes’ para a maioria de suas mensagens. Ela está no número 47 no ranking de mídia social da models.com, o que a coloca acima de modelos muito mais estabelecidas, incluindo Georgia May Jagger, Natasha Poly, Lara Stone e até mesmo a ‘Super’ Christy Turlington. Em uma era onde a mídia social pode literalmente transformar um desconhecido numa celebridade intantânea, Winnie Harlow está ganhando.

Qual é o próximo passo? A capa da Vogue é seu maior sonho dela (e de toda modelo é claro), e parece que ela pode chegar lá. Isso não seria um “tapa na cara” de uma indústria que exige e promove a perfeição inatingível? Veja quais foram as 10 supermodelos negras a mudar os paradigmas da moda. O vitiligo mostra que discriminar alguém por sua cor de pele nada mais é do que uma ilusão.

1 Comentário

  1. Acho isso bem bacana , mas pode ser passageiro . Nós que trabalhamos com moda sabemos que muitas vezes o mercado lança alguém com o intuito de quebrar barreiras ou porque é politicamente correto mesmo . É o caso de Madeline Stuart que tem síndrome de down . Muito cedo ainda pra sabermos se são quebras de barreira ou modismo passageiro , mas isso me parece muito bom . Acho que existe mais beleza no mundo do que as pré-estabelecidas pelas revistas especializadas . É bom abrirmos nossas mentes e incluirmos todos os tipos passíveis de padrão . Agora , ainda é cedo para compara-las aos grandes nomes do universo das modelos . Pra ser grande , precisa caminhar muito em passarelas , editoriais e publicidade . Pra ser grande , tem de vender muito . Mas vamos torcer para que isso aconteça com essas garotas que ousaram sonhar por uma carreira que parecia pouco provável . Sucesso para elas !

DEIXE UMA RESPOSTA