O artista espanhol Dionísio González cria estruturas surreais com manipulações fotográficas na série “trans-ações”, que mostra casas imaginárias que nos faz pensar: seriam essas estruturas futuristas espaços habitáveis, ​​ou as ruínas de uma antiga paisagem agora esquecida? O fascínio com a arquitetura é um tema recorrente no trabalho de Dionísio que retrata casas que se destacam por sua capacidade de surpreender os espectadores.

A ambiguidade das vastas paisagens, panorâmicas e arredores, que servem como pano de fundo para as estruturas surreais oferecem pouco sobre seu contexto. “A particularidade destes edifícios é que eles não se relacionam de uma forma imediata com cidades”, diz Gonzalez. Em comum, todas as estruturas que compõem a série de “trans-ações” são construídas sobre pilares ou contrafortes esbeltos de concreto armado, apoiando-se num plano estrutural horizontal. Estas construções esbeltas acima do nível do solo, se unem mais naturalmente com a paisagem natural circundante sem corromper ou adulterar a paisagem. Entre estas surreais formas arquitetônicas suspensas acima do solo, está o equilíbrio possível que pode ocorrer quando a natureza interage com o sistema de arquitetura.

O trabalho anterior de Dionisio González se chama “Dauphin Island” que mostra sua pesquisa sobre locais físicos onde o caos e a beleza coexistem. Os exemplos que ele encontrou incluem a ilha Dauphin, localizada no Golfo do México, que sofre de incessante e devastadores furacões. Impressionado com a determinação de seus habitantes em recuperar repetidamente tudo o que a natureza destruiu, Dionisio foi motivado a projetar construções habitáveis ​​e sustentáveis, como design futurista feitos de ferro e concreto, substituindo a instável madeira.

Você moraria numa dessas estruturas surreais criadas por Dionísio Gonzáles? Comente.

DEIXE UMA RESPOSTA