O Global Change Award é um desafio anual de inovação criado em 2015 pela Fundação Consciente H & M. O prêmio está à procura de ideias em fase inicial que agregam circularidade ao longo de toda a cadeia de valor da indústria da moda, o que significa tudo, desde design, matérias-primas, produção de vestuário, de tecidos e de transportes, vendas, utilização e reciclagem. A abordagem de economia circular representa um modelo onde os produtos e os recursos são projetados para ter mais do que uma vida.

As ideias que vão concorrer ao Global Change Award assumem um dos maiores desafios enfrentados pela indústria da moda atual que é criar moda para uma população em constante crescimento, reduzindo o seu impacto sobre o meio ambiente. A Fundação Consciente H & M iniciou o desafio de acelerar o processo de fechamento do ciclo para toda a indústria da moda, e nem a Fundação nem a empresa H & M vai querer quaisquer direitos patrimoniais ou de propriedade intelectual sobre as inovações vencedoras do desafio.

O Global Change Award da H&M apresenta as cinco tecnologias inovadoras para tornar a moda mais sustentável stylo urbano-1

Cinco vencedores compartilharão um subsídio de € 1 milhão e terão acesso a direito a um “acelerador de inovação” feito sob medida durante um ano, fornecido pela Fundação Consciente H & M em colaboração com a KTH Royal Institute of Technology, em Estocolmo e Accenture. O júri de especialistas selecionou cuidadosamente os cinco vencedores do Global Change Award 2015. Agora é a sua vez de ajudar a decidir como eles irão compartilhar o prêmio de € 1 milhão acessando o site do prêmio.

O Global Change Award da H&M apresenta as cinco tecnologias inovadoras para tornar a moda mais sustentável stylo urbano-2

A ideia de que obtiver mais votos receberá € 300.000, a segunda a obtiver mais votos receberá € 250.000 e a terceira, quarta e quinta colocadas receberão € 150.000 cada. O resultado da votação será revelado na cerimônia do grande prêmio em Estocolmo em 10 de fevereiro de 2016, e no site do Global Change Award em 11 de fevereiro. Veja abaixo as cinco tecnologias inovadoras para ajudar a indústria a moda a se tornar mais sustentável:

MICRÓBIOS QUE SE ALIMENTAM DE POLIÉSTER

O poliéster é a fibra mais comum usada para fazer tecidos e roupas, e como ele vem do petróleo, é difícil de reciclar sem perder a qualidade. Mas um novo tipo de micróbio pode comer uma camisa velha e quebrar o polímero e transformá-lo em uma matéria-prima básica que pode ser vendida os fabricantes de poliéster. O processo funciona até mesmo em tecidos que são uma mistura de materiais, como o algodão e poliéster. O resultado é mais barato do que fazer um novo tecido a partir do petróleo.

TECIDO À BASE DE ALGAS

A fabricação do tecido tradicional de algodão gera um enorme desperdício pois gasta-se mais de 20.000 litros de água para cultivar algodão suficiente para um único par de jeans, e o algodão também usa mais inseticidas do que qualquer outra cultura no mundo. O crescimento rápido de algas, por outro lado, não requer água extra além dos oceanos e lagos na qual ela cresce, deixando a terra livre para o cultivo de alimentos em vez disso. Esta startup está trabalhando em um processo de código aberto para transformar algas em tecido.

TRANSFORMAR O ALGODÃO VELHO EM ROUPAS NOVAS

O algodão é difícil de reciclar e se você der seu jeans velho para a reciclagem, ele provavelmente será picado para ser transformado em isolamento. Mas este novo processo utiliza um solvente ambientalmente amigável através de reciclagem química para dissolver roupas e tecidos velhos de algodão para se obter a fibra de celulose e criar um tecido de viscose de algodão superior ao tecido original, eliminando os resíduos e os problemas que vêm com o plantio de mais algodão.

RECICLAGEM DE RESÍDUOS ALIMENTARES PARA CRIAR NOVOS FIOS

Na industrialização da laranja para se fazer sucos, sobram toneladas de cascas e sementes que são desperdiçadas, talvez cerca de 25 milhões de toneladas de resíduos por ano. Uma startup desenvolveu um processo que transforma subprodutos de citrinos em matéria-prima para se obter a fibra de celulose e fabricar um novo fio. A startup já tem um protótipo, a sua equipe está pronta para começar a testar o processo em outras regiões produtoras de laranja ao redor do mundo.

UM BANCO DE DADOS PARA RASTREAR TECIDOS DESPERDIÇADOS EM CHÃO DE FÁBRICA

Cerca de 15% dos tecidos acabam sendo jogado no lixo durante o processo de fazer roupas. Esta nova plataforma é uma ferramenta de software para fabricantes de vestuário que reúne os dados em tempo real sobre o inventário de resíduos ligada aos processos de produção. Em seguida, ele conecta os produtores e fabricantes com os estilistas e designers para obter as sobras de tecidos da produção ao invés de atingir o ponto em que se torna resíduos. Isso ajuda as marcas e os designers a serem mais amigos do ambiente, criando roupas sustentáveis feitas a partir de resíduos de outra pessoa.

Um protótipo está sendo desenvolvido atualmente. A próxima fase inclui o desenvolvimento do produto e estabelecer cooperação com marcas e fabricantes para testar completamente o produto antes de ampliação.

DEIXE UMA RESPOSTA