Este texto sobre o futuro da moda personalizada escrito por Katrin Nikolaus para a Siemens é um lembrete que as grandes empresas de tecnologia estão atentas as atuais transformações na moda e a mudança de mentalidade da sociedade em relação a moda rápida e descartável e seus inúmeros problemas socioambientais. A indústria da moda atual por causa do sistema de “oferta e procura” tem que lidar com o problema dos altos estoques de roupas e acessórios que são produzidos esperando que os clientes queiram comprá-los.

Isso está longe de ser algo sustentável pois gera um imenso desperdício de matéria prima, tempo e dinheiro, mas como toda loucura sempre tem um fim, o futuro promete que a moda personalizada pelo cliente será a norma na indústria. Isso vai tornar as lojas físicas abarrotadas de roupas atuais em algo “fora de moda” pois o cliente poderá fazer suas compras online através da realidade virtual, customizar suas peças, ver como ficariam em seu corpo depois recebê-las em casa.

Em 2035 a moda personalizada pelo cliente será a norma no comércio stylo urbano-1
Na loja virtual o cliente poderá escolher qual modelo de roupa lhe interessa e mudar as mangas, decotes, cumprimento, estampa, cores, fornecer suas medidas, ver como a roupa fica em seu corpo através da realidade virtual e depois da compra feita, receber em casa em alguns dias a peça pronta.

 Em 2035, Tomas Jones, um jovem professor de medicina da Nigéria está comprando um terno feito sob medida em uma loja num shopping center em Hamburgo, Alemanha. No processo, ele recebe um relatório de como os produtos são criados numa época onde a rede global é abrangente e transparente. Depois de Tomas se encontrar com seus colegas alemães, ele aproveita as primeiras horas da noite para procurar um terno novo.

No futuro, comprar roupas em lojas de moda pronta se tornou coisa do passado. Jones tem 40 anos, e sabe deste costume do passado apenas por ouvir falar. Seu terno será produzido em um processo quase totalmente automático que inclui tudo, desde a compra das matérias-primas para a produção e a entrega no alfaiate. Além do mais, todo o processo é projetado para ser ambientalmente amigável.

Tomas Jones está cheio de expectativa quando entra na filial de uma empresa de moda internacional que mantém suas medidas, com o seu consentimento é claro, em arquivo.

Informações específicas do cliente

“Bom dia, Thomas”, diz um jovem vendedor. A última vez que Tomas comprou em uma filial dessa cadeia de moda foi há dois anos em sua cidade natal, Lagos na África. Obviamente uma câmera inteligente deve ter digitalizado seu rosto e o software deve tê-lo reconhecido quando ele entrou na loja, fazendo um upload de seus dados para o dispositivo de informação do vendedor.

Os dois homens começam uma discussão detalhada dos fatos. “Meu pai sempre usava uma camisa e um terno escuro quando ele ia para seu trabalho na sua empresa“, lembra Tomas. “O meu também”, responde o vendedor, que na verdade é um dos diretores da cadeia de moda. Ele se apresenta como Paul Erikson, filho do fundador da empresa. No momento ele está passando uma semana de trabalho na sucursal de Hamburgo, a fim saber o que os clientes estão pedindo, pois mesmo com toda a tecnologia, a intuição humana ainda é um fator crucial para a sobrevivência de uma empresa de moda.

Troca justa

Tomas Jones passos para uma plataforma e tem suas medidas tomadas com um scanner a laser. Um computador compara os dados atuais com os dados registados a partir de visitas anteriores. “Apenas um pouco mais amplo em torno dos quadris“, diz Paul Erikson, com um sorriso. Em seguida, os dois homens escolhem uma cor a partir de uma tabela com centenas de cores para decidir sobre o tipo desejado de tecido para o terno. Tomas escolhe um algodão orgânico leve, que será adequado para o clima nigeriano.

Seis semanas antes, Buthan Singh estava em seu campo de algodão orgânico no estado de Punjab, na Índia, verificando se seu algodão estava pronto para a colheita. “Devemos começar a primeira colheita em dois dias”, disse o capataz. Singh não utiliza os métodos de colheita totalmente automatizados. Em vez disso, ele pega seu algodão de acordo com o grau de maturidade das plantas individuais. Isso resulta em qualidade muito superior e lhe rende bons preços no mercado mundial.

Em 2035 a moda personalizada pelo cliente será a norma no comércio stylo urbano-2

A fazenda tem sido propriedade de Buthan Singh e seus ancestrais há cinco gerações, mas apenas nos últimos 20 anos, Buthan Singh e sua família foram capazes de obter uma boa vida no cultivo de algodão. Isso porque durante este período os subsídios do governo para os produtos agrícolas têm sido gradualmente reduzidos e quase totalmente abolidos.

Buthan Singh vende suas colheitas através de um intercâmbio automático de matérias-primas. Uma tecelagem Inglesa especializada em tecidos de alta qualidade para ternos, comprou o primeiro lote. Os clientes da fábrica consideraram não apenas o preço e a qualidade como importantes, mas eles também olham como o algodão foi sustentavelmente produzido. Esta informação chegue ao cliente final por meio de software de rastreamento de produto que funciona com etiquetas inteligentes RFID. Os clientes precisam dessas informações, a fim de saber quanto uma compra acrescenta à conta de suas emissões pessoais.

“A época dos produtos fabricados em massa a nível mundial havia terminado. Só produtos individualizados poderiam obter lucro por causa da sustentabilidade e para evitar o problema do alto estoque e desperdício de materiais primas que iam parar no lixo. “

Em 2035 a moda personalizada pelo cliente será a norma no comércio stylo urbano-3

Tecidos feitos na Inglaterra e não na Índia

“O algodão para esta fabricação vem de Punjab na Índia”, diz Paul Erikson após uma rápida olhada em seu dispositivo de informações. “O tecido foi fabricado, apenas um momento, ah sim, na Inglaterra.

Tomas Jones sorri antes de responder. “É bastante irônico que existem fábricas de tecelagem na Inglaterra, mais uma vez, depois de tantas décadas em que os tecidos foram produzidos quase que exclusivamente em países de baixos salários”, diz ele.

“Agora que tudo é feito sob medida, nós só precisamos de pequenos lotes de tecido, acabando com o problema dos estoques de roupas prontas e desperdício de matéria prima do passado. A única exigência é que a rota de transporte do tecido seja a mais curta possível para diminuir o máximo a emissão de dióxido de carbono”, responde Paul Erikson. Ele diz a Tomas que a companhia quase faliu no início dos anos 2020.

As roupas não podiam mais ser oferecidas a preços baixíssimos depois de países como Índia e China começaram não só a produção de vestuário, mas também a vendê-lo eles mesmos, assim, mantiveram uma grande parte dos lucros. Outro fator são as novas startups de moda ética e sustentável que surgiram criando roupas de comércio justo com alta qualidade mas com bons preços e customizáveis pelos clientes.

Em 2035 a moda personalizada pelo cliente será a norma no comércio stylo urbano-4
Nos provadores inteligentes nas lojas de varejo, a cliente escolhe qualquer modelo disponível na coleção da loja que aparece no espelho do provador, e faz as modificações que quiser criando uma roupa personalizada por ela.

Ofertas feitas sob medida

“Meu pai logo percebeu que a época dos produtos produzidos em massa a nível mundial havia terminado e que apenas produtos individualizados poderiam gerar lucro”, lembra Paul Erikson. Naquela época houve uma recessão econômica, e os credores não estavam dispostos a investir na reestruturação societária.

Mas o avô de Paul Erikson não estava preparado para desistir. Em linha com o conceito de financiamento coletivo, ele usou as redes sociais para encontrar 1.000 investidores privados que acreditavam em sua visão de uma empresa de moda moderna e sustentável. Inicialmente, a empresa produziu apenas roupas sob demanda, mas logo se incorporou também fatores como o cultivo sem pesticidas, condições justas de trabalho e processos de produção sustentáveis.

E pelo fato de mais e mais empresas estarem adotando esta abordagem, as grandes empresas de tecnologia desenvolveram novos programas de software baseados na Web que gradualmente criaram uma rede global de clientes, produtores e fornecedores de matérias-primas totalmente sustentáveis. Somando a isso, surgiram feiras voltadas exclusivamente a fornecedores de tecidos e aviamentos eco-sustentáveis para que as marcas de moda tivessem acesso a matérias primas sustentáveis de todo o mundo.

Em 2035 a moda personalizada pelo cliente será a norma no comércio stylo urbano-5
Com o mapeamento de projeção nas lojas, os clientes poderão ver como fica cada peça de roupa nos manequins, personalizá-los e em poucos dias receber a peça em casa.

Qualidade sem Fronteiras

Tomas Jones quer ver como fica vestido com o terno feito do tecido que ele escolheu. “É muito agradável de usar“, disse ele. Em um “espelho inteligente” na parede, ele vê a imagem de si mesmo vestindo o novo terno que ele escolheu. “Hmm, a cor ainda não é a ideal. Acho que vou querer um tom mais claro”, disse ele, depois de ter mudado de ideia. Mas Tomas percebe que ele está indo embora de Hamburgo amanhã e que a encomenda tem que ser entregue em Lagos.

Não há problema“, diz Paul Erikson, escrevendo isso no em um teclado. Três minutos depois, o sistema de encomendas surge com uma nova cadeia de fornecimento. “Seu algodão agora virá do Chade, e tecelagem está em Benin”, diz Paul Erikson. A costura será feita na Nigéria. O terno estará disponível para ser entregue em qualquer uma das lojas da nossa cadeia através de nossos serviços baseados na Web.

“A coisa mais difícil foi conseguir que todos os nossos fornecedores cumprissem com um padrão de qualidade uniforme.” Mas desde que os governos na África Ocidental começaram a se concentrar na educação e programas de qualificação profissional, isso não tem sido mais problemático do que em outros países. “Hoje em dia um bom terno pode ser produzido da mesma forma em todos os continentes. E ele não tem que ter uma cor escura!” Concluiu Paul Erikson com um sorriso.

Fonte: Siemens

Em 2035 a moda personalizada pelo cliente será a norma no comércio stylo urbano-7

DEIXE UMA RESPOSTA