Se as marcas querem continuar a vender e serem relevantes, elas tem que mudar. Até agora, a prioridade na indústria da moda era criar o melhor produto possível a um preço competitivo para garantir as vendas. Mas os consumidores, principalmente os das gerações Y e Z, estão se interessado cada vez mais pela sustentabilidade, autenticidade e transparência das marcas. Isto é o que chamamos de “novo consumidor” ou “consumidor consciente”.

O artigo do The Business of Fashion feita a partir de uma pesquisa do Euromonitor nos dá as 10 mandamentos do novo consumo de moda. “Os consumidores de hoje estão repensando suas prioridades e se perguntando o que devem realmente consumir”, diz Sarah Boumphrey, da Euromonitor.

Conheça os 10 mandamentos do novo consumo de moda stylo urbano

1. Transparência nas práticas de negócios

Cada vez é maior o conhecimento que os consumidores têm em relação às questões ambientais e as condições de trabalho das empresas. Revelar informações sobre práticas de negócios permite que as marcas se envolvam com os clientes de uma forma totalmente nova, se abre um diálogo e se cria uma experiência de marca mais honesta. A transparência do método de produção das marcas deixou de ser uma opção, e passou a ser uma expectativa dos consumidores.

2. Demonstrar autênticos valores de marca

Oferecendo produtos que estão em plena sintonia com a história e a cultura da empresa, as marcas conseguem provar a sua autenticidade. Podemos ver isso claramente refletido na Burberry, que se manteve sempre fiel às suas raízes inglesas e artesanato: “Mais e mais consumidores que não querem para pagar por algo falso querem o real e o genuíno. Assim, a autenticidade é realmente a nova consciência do consumidor , “diz Joseph Pine, autor de The Experience Economy. “Ela é o principal critério para a compra a partir do qual os consumidores escolhem quem e o que comprar” conclui ele.

3. Criar processos sustentáveis

Euromonitor diz que a chave do novo consumismo é a crescente demanda por materiais e métodos de produção mais sustentáveis. Um exemplo é a marca britânica People Tree, que compra produtos e materiais de fornecedores do comércio justo em países desenvolvidos, tem o objetivo de ser 100% de comércio justo ao longo de toda a sua cadeia de fornecimento. Além disso, a empresa também se esforça para proteger o meio ambiente e usar os recursos naturais de forma sustentável.

4. Invista em tecnologia de varejo

Os rápidos avanços na tecnologia têm aumentado as expectativas de compradores online: alto nível de serviço, velocidade e definitivamente uma experiência única. Isso significa que uma marca pode fechar por não se encaixar num modelo de negócio onde a internet, compras móveis e mídia social estão incluídos.

5. Ajudar os clientes a alcançar objetivos pessoais

Por exemplo, a Nike, a famosa marca de esportes, oferece os Run Clubs, uma experiência que ajuda aos clientes para que entrem em forma. Esta é uma estratégia que diferentes empresas estão implementando. E qual é o objetivo? Ajudar os consumidores a atingir o bem-estar ou o que estiverem necessitando.

6. Preços compatíveis

As marcas estão constantemente oferecendo descontos, e isso alterou as atitudes dos consumidores em relação ao valor e consumo. Nesta nova era em que entramos, o cliente espera sempre um produto de baixo preço: “Querendo economizar dinheiro e tempo com essas experiências, também desejam comprar ao preço mais barato possível”, diz Pino. “Você quer economizar e ter a maior comodidade possível, e assim está recebendo ambas as coisas”, acrescenta.

7. Fornecer serviços eficientes

Os EUA lançou “Stitchfix”, por exemplo, que visa substituir o ato de sair de casa para fazer compras de roupas. Os clientes preencher um perfil e recebem em casa uma seleção de produtos. O consumidor moderno está recebendo uma infinidade de opções, razão pela qual os produtos e serviços que ajudam a economizar tempo tornaram-se mais atraentes. Sarah Boumphrey, da Euromonitor diz claramente: “O tempo tornou-se um luxo no mundo de hoje“.

8. Proporcionar experiências para impulsionar as vendas

Os eventos e a criação de experiências se tornaram ferramentas cruciais para ajudar as marcas a se conectar com seus clientes em um nível mais profundo. Sem ir muito longe, nós encontramos um exemplo claro na Vogue, que hospeda anualmente uma festa: “Estamos em uma economia da experiência” declara Pine. “As experiências são memoráveis e envolvem a todos de uma maneira pessoal, e é isso que as pessoas querem”  conclui ele.

9. Economia de compartilhamento

Os novos consumidores preferem ser proprietários de um produto temporariamente, e à medida que mais consumidores se acostumaram a compartilhar seus bens, as marcas de luxo serão afetadas pelo fenômeno: “Isto está relacionado com a oferta e a procura, e a ligação das pessoas e empresas com os recursos que elas querem”, diz Boumphrey. Ele acrescenta que “as ineficiências do mercado são eliminadas, e isso permite que os consumidores interrompam uma ampla gama de setores.”

10. Reconhecer a individualidade dos clientes

Há uma forte demanda por produtos que ajudam a expressar a própria individualidade, e isso explica o aumento dos serviços de personalização. O consumidor quer colocar o seu próprio estilo sobre os produtos: “Queremos pertencer a uma tribo, o que nos dá vontade, isto é o que somos, isso é parte da nossa identidade. Mas no entanto, queremos também reconhecer a nossa própria singularidade”, diz Pine.

Fonte:  The Business of Fashion

DEIXE UMA RESPOSTA