A cidade de Estocolmo abrigará até 07 de fevereiro uma exposição espetacular para refletir sobre o futuro da moda imaginado mundos utópicos. “Utopian Bodies: Fashion Looks Forward” no museu Liljevalchs recria mundos imaginários através de roupas com foco nos aspectos mais positivos da moda. Com base nas perguntas: Como usar a moda para criar um futuro melhor? Como a moda se relaciona tanto com o corpo humano, como os indivíduos e os grupos?

A exposição acolhe criações especiais de designers suecos e internacionais em busca de respostas. Duas centenas de peças, imagens, vídeos e um preparo cuidadoso e teatral faz desta exposição uma experiência sensorial.

Através de onze galerias denominadas: sustentabilidade, mudança, tecnologia, artesanato e forma, artesanato e cor, força e parceria, força e beleza, solidariedade, memória, amor e identidade de gênero, a exposição “Utopian Bodies: Fashion Looks Forward” visa provocar no espectador uma reflexão sobre a moda hoje e amanhã, com especial ênfase na tecnologia e criatividade como catalisadores de mudança.

Os curadores da exposição, destacaram entre todas as partes, um vestido de alta costura da primeira coleção de Raf Simons para Dior, o icônico vestido/travesseiro de 2005 da Viktor & Rolf, a fantástica saia/mesa feita de papel e o vestido de plástico moldado de Hussein Chalayan, o polêmico vestindo de buracos de Rick Owens deste inverno, sapatos de impressão 3D de Iris Van Herpen e a inovadora instalação de Issey Miyake para sua coleção A-POC de 1999.

Alexander McQueen, um dos criadores que melhor dialogaram com utopias futuras tem uma presença especial. A exposição inclui um bom repertório de seus projetos graças à transferência de algumas das maiores coleções particulares do mundo do designer. Mas com ele, uma longa lista de designers de luxo como Dries Van Noten, Bernhard Willhelm ou Elsa Schiaparelli apresentam suas peças.

A exposição também incluiu designers emergentes que estão abrindo novos caminhos na moda, como Gypsy Sport, Chromat, Claire Barrow, Craig Green e Minju Kim, e inclui parcerias especiais com 16 dos melhores designers suecos, como Ann-Sofie Back, Sandra Backlund ou Szenfeld Bea, que criaram peças para a exposição.

Novas tecnologias, tecidos inteligentes e moda ética também têm uma presença especial na exposição “Utopian Bodies”, com uma seleção de peças de vestuário que procuram mudar o mundo. Saias com painéis solares, vestidos interativos, tecidos reciclados … concluem este complexo e emocionante quebra-cabeças da moda como um agente de mudança para um mundo melhor, pois moda também é uma forma de expressão artística.

DEIXE UMA RESPOSTA