Vivemos uma era de diferentes economias: bioeconomia, economia de plataforma, economia digital, economia compartilhada e economia circular. Estas são apenas modas ou a nova realidade que mudará a forma como consumimos e vivemos nossas vidas? A economia circular não é um fenômeno novo pois ao longo da história, tem sido a maneira de atuar e gerenciar em tempos de escassez. Nossos antepassado viveram com moderação e mantiveram tudo em bom uso até o último suspiro.

As pessoas ainda fazem isso nos países em desenvolvimento e em circunstâncias severas ou excepcionais, como durante a guerra. A economia circular voltou a ser uma questão atual, uma vez que as matérias-primas globais, alimentos, recursos hídricos e energéticos não são suficientes para cobrir as necessidades da população ainda em crescimento de forma ilimitada. Devemos aprender a pensar diferentemente sobre propriedade e consumo.

A tecnologia acelera a economia circular e as atividades comerciais

Além de ser uma necessidade, a economia circular é uma ótima oportunidade para criar uma demanda sustentável e novos tipos de atividades empresariais. Uma vez que um produto atingiu o fim de seu ciclo de vida, a tecnologia permite recuperar suas matérias-primas e componentes e usá-los para novos fins. Nada é desperdiçado. O uso eficiente de recursos exige novos operadores, redes de distribuição e sistemas para garantir que as remessas corretas estejam no lugar certo, no momento certo.

Na indústria têxtil, existem bons exemplos de como as roupas usadas e garrafas PET podem ser reciclados em novas fibras têxteis. Por exemplo, as empresas Evrnu, Re-newcell e Saxcell desenvolveram técnicas de pré-tratamento para os resíduos de algodão, dissolvendo o desperdício de algodão para reutilização sem agentes tóxicos. A reciclagem química de tecidos é uma solução ecológica para reduzir o desperdício e poluição do fast fashion. A impressão 3D, por outro lado, permite o uso eficiente dos materiais na indústria de fabricação e, o melhor de tudo, a reciclagem de materiais recuperados. Tudo isso, no entanto, exige que pessoas em todo o meio empresarial adotem novas formas de pensar.

Os modos atuais de operação não trarão sucesso

A pesquisa e o desenvolvimento desempenham um papel fundamental para assegurar que a economia circular funcione eficientemente. Precisamos de inovações radicais que promovam o crescimento econômico sustentável e a reutilização dos resíduos industriais e agrícolas. A economia circular não é apenas uma forma de pensar, mas também é uma atividade comercial que cria valor, empregos e receitas fiscais. Precisamos de boas idéias, ampla mentalidade e projetos ousados ​​para transformar as ideias em atividades empresariais.

Como minimizar a quantidade de resíduos e reutilizar os resíduos remanescentes? O que costumava ser considerado como lixo, hoje pode gerar novos negócios, dos quais os fluxos secundários da produção de alimentos servem como um bom exemplo. Tendo como exemplo a transformação dos resíduos que sobram do processamento do suco de laranja em novas fibras têxteis, bioplásticos, purificação de água e conversão das águas residuais da indústria de suco em plástico biodegradável. Inovações como essas não são geradas a partir do nada, mas precisam ser fundadas em pesquisa e desenvolvidas para ter sucesso.

Crescimento global da economia circular

O que está no cerne da economia circular são os serviços: comprar e possuir estão se transformando em empréstimos e uso compartilhado. Esta tem sido a realidade, por exemplo, no mercado imobiliário, e agora uma maneira similar de pensar também está se expandindo das ferramentas para os veículos. Quando as oportunidades oferecidas pela economia circular forem compreendidas em todos os lugares da sociedade, o compartilhamento aumentará ainda mais, e o peso sobre o meio ambiente reduzirá.

Novos serviços impulsionarão o crescimento e o emprego nos países. Por um lado, a digitalização substitui os empregos, mas, por outro lado, seu uso na economia circular proporcionará oportunidades de crescimento para as empresas: todo o ciclo de produção e vida útil do produto precisa de novas soluções que as aplicações da Internet de Coisas podem oferecer.

A economia circular irá substituir a economia linear? A questão fundamental é a ousadia de pensar as coisas de novo. Preciso realmente de um carro próprio? Existe algum problema em alugar um carro sempre que preciso de um? Precisamos questionar nosso pensamento convencional. A maneira de pensar e agir que as gerações anteriores costumavam praticar se transformará numa atividade comercial que ajudará a construir uma sociedade de bem-estar com as novas tecnologias disruptivas do século XXI.

DEIXE UMA RESPOSTA