Para acelerar a transição para uma indústria da moda circular livre de resíduos, a H & M Foundation iniciou em 2015 o desafio da inovação anual chamado Global Change Award, selecionando as melhores ideias que podem ajudar a reinventar a fabricação de moda. A segunda rodada de vencedores foram escolhidos, e agora o público decide como dividir o prêmio de 1 milhão de euros entre os cinco vencedores, uma oportunidade única para influenciar uma das indústrias mais poderosas do mundo e contribuir para um futuro sustentável. A votação online está aberta de 27 março até 2 abril no site globalchangeaward.com.

Um fio de conteúdo digital que facilita a reciclagem de roupa, um novo fio de nylon com fixação de carbono fabricado a partir de biomassa e energia solar, couro vegetal feito a partir de resíduos da produção de vinho, jeans usados que dão cor a novos jeans através de um pó com partículas e uma ideia que transforma estrume de vaca em tecidos biodegradáveis, estas são as cinco inovações vencedoras do Global Change Award 2016 que vão influenciar o futuro da indústria da Moda.

“Num planeta que não é sustentável, todas as indústrias devem mudar as suas práticas. O Global Change Award é um dos esforços mais arrojados para catalisar a transformação numa indústria que não é sustentável e os vencedores do prêmio da H&M Foundation representam o enorme potencial da inovação na ciência e tecnologia para fazer a diferença“, declarou Ellis Rubinstein, presidente e CEO da New York Academy of Sciences e membro do júri do Global Change Award, que junta personalidades das áreas da inovação, do empreendedorismo, da sustentabilidade e da moda, como a modelo Amber Valletta.

As votações estão abertas no site do Global Change Award, onde poderá conhecer melhor a iniciativa, os vencedores e os membros do júri. O resultado e as pessoas responsáveis pelas inovações serão revelados no dia 5 de abril na Grand Award Ceremony, na Câmara Municipal de Estocolmo, na Suécia.

OS VENCEDORES DO GLOBAL CHANGE AWARD 2016 SÃO:

Manure Couture – Fazendo tecido à base de estrume de vaca

Recolher e utilizar a valiosa celulose no estrume de vaca para criar um tecido biodegradável. A tecnologia chamada Mestic visa diminuir significativamente a quantidade de gás metano e substâncias que poluem o solo, água e ar, criando matéria prima para produção de papeis, plásticos e tecidos.

Denim-Dyede denim – Usar jeans velho para tingir um novo jeans

Reduzir quimicamente jeans velhos em partículas finas para transformá-lo em um pó para tingir um novo denim ou outros produtos têxteis. Este método reduz tanto a água e a energia utilizada para a produção, bem como reutiliza jeans velho ao invés de ir para o lixo.

Solar Textiles – Colher a energia do sol para fazer tecidos de moda

Usando apenas água, resíduos de plantas e energia solar para produzir nylon bioegradável, em vez de petróleo, é uma boa notícia para o planeta. E se isso não for suficiente, o nylon também suga CO2, contribuindo para diminuir as emissões de gás carbono.

Content Thread – Um fio digital que nos permite saber o que estamos vestindo

Adicionar minúsculos chips de RFID num fio de tecido para o vestuário, tornará o processo de reciclagem das roupas muito mais eficiente e diminuirá seu descarte no lixo, pois saberemos com exatidão os materiais que compõe a peça de vestuário.

Grape Leather – Usando sobras de vinificação para criar couro totalmente vegetal

Usar sobras de produção de vinho para produzir um fino couro vegetal é ótimo para bem-estar animal e elimina a necessidade de petróleo para fazer couro sintético. O fato de que as cascas da uva e caules são utilizados para algo bom, em vez de combustão, é um enorme ganho ambiental.

DEIXE UMA RESPOSTA