A indústria do fast fashion e a sustentabilidade não se combinam. A ideia por trás do fast fashion é a de produzir novas coleções baratas e estimular o consumo, e não há nada sustentável em relação a isso. É impossível produzir roupas sustentáveis e éticas com a quantidade de produção exorbitante do fast fashion e ainda manter uma alta qualidade e ser ambientalmente sustentável.

Muitas empresas de moda gostariam de nos fazer pensar o contrário. Elas criam linhas “amigas do meio ambiente” para atrair os clientes mais exigentes ou um pouco céticos. Um artigo sobre greenwashing na Al Jazeera diz que é preciso discernir a diferença entre as empresas seriamente empenhados em minimizar o custo social e ambiental da moda, e aquelas que empregam meros truques de marketing, muitas vezes apelidado de “greenwashing.”

O fast fashion nunca será sustentável, não importa o que as empresas digam stylo urbano -1

Muitas marcas da indústria da moda empregam as palavras “sustentável” e “ética” como marketing para atingir os consumidores como faz a A H & M com sua coleção “Consciente” feita de algodão orgânico e poliéster reciclado, a Puma tem a coleção biodegradável InCycle​, a Adidas o Design for Environment, a Uniqlo com sua linha de reciclagem, a Zara tem suas lojas eco eficientes e da Gap o programa P.A.C.E para beneficiar a vida dos trabalhadores de vestuário feminino.

É tão interessante ver a H & M falar em “moda consciente” e logo depois lançar uma coleção em parceria com a Balmain que joga por terra toda a conversa fiada de querer ser “ética e sustentável”. Olhe a histeria na abertura da loja da H & M em Istambul com a coleção Balmain x H & M, que foi replicada no mundo todo. É esse tipo de consumismo irracional que transforma as pessoas em zumbis para a alegria dos acionistas das grandes redes de fast fashion.

Mas estes esforços das grandes corporações de moda não passam de greenwashing, pois a “sustentabilidade e o consumismo desenfreado não andam de mãos dadas.” Livia Firth é a diretora criativa da consultoria de marcas sustentáveis Eco-Age, e argumenta que as marcas de fast fashion tem que mudar seus modelos de negócios. Enquanto elas continuarem a produzir “em tais volumes e em tais preços ridículos, seus esforços de sustentabilidade, não importa o quão genuína seja, são uma forma de greenwashing”. 

Segundo Livia Firth: “Em Bangladesh você vê mulheres que trabalham 12 a 16 horas por dia para produzir nossas roupas em fábricas que têm grades nas janelas e guardas nas portas. Eles recebem muito pouco por seu trabalho. Mesmo que seja o salário mínimo nacional, é realmente um salário miserável.”

“As empresas de fast fashion são como traficantes de drogas: elas vão para estes países prometendo tirar milhões de pessoas da pobreza, elas fecham negócio e, em seguida, uma vez que começam a produção no país, as redes de fast fashion começam a empurrar os preços para baixo. Elas sempre podem impor os salários mais baixos e os governos locais e países inteiros são subjugados por isso. Digamos que você está em Bangladesh, se você estiver “muito caro”, elas vão para o Vietnã, Myanmar ou África e é assim que essas empresas predatórias trabalham. ”  Ética e sustentabilidade na indústria do fast fashion? Esqueça!livia-firth-537x403

A papisa da moda Li Edelkoort, editora da revista de tendências Bloom, escreveu o “Manifesto anti-fashion” onde diz que a inconsequente moda do fast fashion está com os dias contados.

Um problema adicional com esses esforços é que eles muitas vezes se concentram em um único aspecto de ser verde ou ético. Uma camiseta feita de algodão orgânico é uma boa ideia, mas ela ainda pode ser fabricado em uma instalação que usa trabalho escravo e produtos químicos tóxicos que são perigosos para os trabalhadores de vestuário e comunidades vizinhas.

Isto está a ser abordado pelo Sustainable Apparel Coalition – SAC e seu Índice de Higgs, que mede 5 fatores na produção de vestuário. Uso da água, as emissões de carbono, as condições de trabalho, desperdício e uso de produtos químicos. A Al Jazeera relatou que a adesão crescente ao SAC agora cobre cerca de 35% do volume de negócios de vestuário do mundo e, desde 2011, inclui as principais marcas como Nike, Target e a Gap. Esperemos que mais empresas comecem a prestar atenção da forma como suas peças de vestuário são produzidas.

Mas o verdadeiro impulso para a mudança precisa vir dos consumidores que se preocupam com o que se passa nos bastidores da indústria do vestuário, em vez de deixar que as empresas limpem seus atos. O trágico colapso na fábrica Rana Plaza em 2013 em Bangladesh ondem morreram 1200 pessoas e 2500 ficaram feridas, levantou questões importantes sobre as normas de produção e exploração de mão de obra na moda.

O fast fashion nunca será sustentável, não importa o que as empresas digam stylo urbano -2

A maneira mais fácil de evitar o greenwashing é boicotar a indústria do fast fashion e resistir à tentação de comprar roupas novas em uma base semanal ou mensal. Ao contrário do que muitas pessoas pensam, você não precisa ser rico para fazer isso.

– Apoie as confecções de pequeno e médio porte, uma vez que são mais fáceis de rastrear a origem de seu produto que as empresas com um volume alto.
– Faça roupas com uma costureira ou um alfaiate se encontrar.
– Procure peças que são feitas localmente ou no mercado interno.
– Se possível, compre itens de alta qualidade pois eles são mais propensos a durar, e você provavelmente vai cuidar deles.
– Compre roupas e calçados que sejam reparáveis.
– Compre roupas de segunda mão em um brechó, pois esses itens têm provado a sua durabilidade.
– Certifique-se de viver com menos roupas. Resista ao impulso da novidade e mantenha a mesma roupa o maior tempo possível.
– Faça uma troca de roupa com os amigos ou em eventos que promovam isso, em vez de fazer compras.

Ao fazer compras, é importante discernir entre as empresas que realmente querem minimizar os seus impactos sócio-ambientais e melhorar a transparência da sua cadeia de suprimentos em relação as empresas que estão pulando na onda sustentável só para te enganar.

A empresa de tecnologia Siemens fez uma interessante previsão para 2033 onde o fast fashion não existe mais e foi substituído pela “personalização em massa” onde as pessoas participam do processo de fabricação do produto e só é produzido aquilo que foi encomendado pelo cliente. Os avanços da tecnologia não perdoam ninguém nem a obsolescência programada!

2 Comentários

  1. Uma coisa que ajuda divulgar essa merda de consumismo sao essas blogueiras inúteis, que no final, ganham essas roupas e nem as consomem. É preciso ter senso crítico, to abrindo meu guarda roupa e parando com essa neura que não tem coisa pra vestir ^.~´´

DEIXE UMA RESPOSTA