Imagine que no futuro você poderá comprar roupas personalizadas que mudam de cor, forma e estrutura de acordo com seu humor, seu estilo e até mesmo a sua temperatura? Para a designer austríaca Julia Körner, que trabalhar na convergência entre arquitetura, design, moda, impressão 3D e robótica esse é o futuro da moda.

Julia Körner é fundadora da JK Design e especializada em design digital para impressão 3D e suas colaborações mais recentes envolvem peças de moda de fabricação aditiva desenvolvidas para a Maison Lesage. Outros projetos incluíram parcerias com a estilista holandesa Iris van Herpen para coleções de alta-costura em Paris.

Em 2015, Julia lançou uma coleção feita de impressão 3D chamada “sporophyte“, que é inspirada nos ciclos de vida das plantas e algas, o que demonstra sua fascinação com o mundo natural. Julia começou a colaborar com Iris van Herpen em 2012, e depois em 2013 mas nessa época as roupas feitas de impressão 3D eram muito rígidas e duras, o que dificultava mover-se dentro delas, assim estavam mais para esculturas de museu do que moda em si.

Mas com os avanços da tecnologia e novos materiais flexíveis abriram-se novas possibilidades de produzir roupas usáveis feitas de impressão 3D. E para a designer, um dos principais benefícios dessa tecnologia para a pessoas é que elas poderão no futuro ser capazes de personalizar suas roupas encomendando-as na internet.

Para Julia, uma das coisas mais emocionantes é que temos tecnologia para digitalizar um corpo humano em 3D através do smartphone, que tira as medidas exatas da pessoa para se projetar a roupa no computador de acordo com as medidas do corpo.

Esse conceito de personalização de roupas não se encaixa no sistema de fast fashion de roupas baratinhas e descartáveis pois essas roupas serão projetadas para durar muito tempo e com um design moderno e atemporal.

O futuro da moda está na personalização em massa através da impressão 3D stylo urbano

Com o aumento da venda de roupas pela internet, se gasta muito transporte desnecessário em todo o mundo pois muitas vezes, essas roupas acabam não vestindo bem e são devolvidas, por isso, a produção em massa de roupas em impressão 3D poderia ter benefícios ambientais.

Máquinas automatizadas de impressão 3D poderiam fabricar roupas inteiramente sem costura que saem prontas da máquina evitando o desperdício de material, água e energia que ocorrem nos processos atuais de fabricação além de eliminar o trabalho humano no processo.

No futuro, o material das roupas personalizadas poderão se adaptar as alterações na forma corporal ao longo do tempo, e se adaptar a suas novas proporções. Júlia Körner acredita que as roupas que compramos não refletem verdadeiramente a nossa personalidade.

“Sua roupa não vai se adaptar a quem você é na segunda-feira e novamente em quem você é na sexta-feira mas no futuro isso irá mudar. A personalização na moda poderá expressar exatamente como você se sente ao longo do dia com tecidos inteligentes que podem mudar de cor e estampa”.

Mas para que isso aconteça, novos materiais flexíveis e confortáveis com aparência e toque de tecido terão que ser desenvolvidos para impressoras 3D pois o material que temos hoje para imprimir essas roupas é basicamente filamentos de plástico ou silicone.

Mas com os investimentos da indústria da moda em tecnologias de produção mais eficientes e sustentáveis, a forma como fabricamos e usamos nossas roupas vai mudar radicalmente no futuro.

DEIXE UMA RESPOSTA