Não há outro lugar no mundo que misture a liberdade estética e a moda de forma tão atraente e interessante como no Japão. A diversidade de estilos e criatividade nas roupas tornaram o país o centro da vanguarda mais procurando por todos os cool hunters do mundo. O cool hunter francês Loic Bizel, advertiu que qualquer tendência relevante nasce primeiro no Japão e que se você souber de antemão o que está acontecendo nas ruas de Tóquio, você pode antecipar o que vai acontecer em outros países, depois de meses e até mesmo um ano depois.

O que caracteriza o “estilo japonês” é precisamente extrapolar os limites. “Nós misturamos livremente a moda, sem preconceito e laços históricos. Às vezes, combinamos com roupas tradicionais japonesas, como o quimono“, explica Lisa Kobayashi, que nasceu em Iwate, norte do Japão, e depois de viver em Kyoto, Yokohama, Tóquio e Hong Kong, chegou à Espanha no final de 2008. Atualmente, Lisa trabalha no projeto Cool Japan para a divulgação da cultura japonesa no mundo hispânico.

O Japão é o paraíso dos cool hunters por sua liberdade estética e criatividade stylo urbano-1
Pie Goth é uma tendência muito popular em Tóquio e está previsto para chegar ao ocidente na P / V 2016. Image: Blog cuutekawaii

O estilo ocidental mais simples e sóbrio, não é muito visto nas ruas do Japão, porque a maioria dos estudantes usam uniformes. Além disso, as mulheres japonesas tendem a não expor muito a pele, mesmo no verão, pois não acham a ideia sexy, mas as marcas japonesas tendem a ter sempre um toque de “kawaii”. Esta palavra significa “bela” e é amplamente utilizado entre as japonesas para dizer que algo parece “bonito”. A sociedade japonesa valoriza a beleza da juventude, de modo que ter um estilo “kawaii” é como se sentir jovem e bonita.

O Japão é o paraíso dos cool hunters por sua liberdade estética e criatividade stylo urbano-2

Os japoneses tendem a ser fortemente influenciados pela moda, e muitos deles seguem as tendências, mesmo que não se sintam bem ou não gostem. Além disso, devido à distância geográfica, as tendências da moda ocidentais muitas vezes vêm para o Japão sem conteúdo ideológico. Por exemplo, o movimento hippie dos anos 70 veio só na moda, sem a ideologia.

Esta visão de moda converteu os japonês em uma cultura muito preocupada com a sua imagem, ainda há muitas “tribos” no país que se vestem de forma exagerada em grupo. Exemplos são os chamados “gals”, nome adotado das “girls”, que reverenciam a beleza e circulam pela zona comercial de Shibuya.

O Japão é o paraíso dos cool hunters por sua liberdade estética e criatividade stylo urbano-3

As tribos são muito popular, existem “Lolitas” molho francês como bonecas, “Ganguro” com um bronzeado, maquiagem espessa branco e loiro tingido, ou o “Visual Kei” usando roupas andróginas com cores brilhantes. Quem melhor ilustra essas subculturas é a coolhunter passionista La Carmina. Especialista japonês Gothic Lolita Punk e Visual Kei moda, através de seu blog que ensina moda alternativa pode ser encontrada em bairros da moda de Tóquio.

“Os principais hotspots são Shibuya e Harajuku, onde eles são adolescentes, para a faculdade ou jovens trabalhadores é Shibuya e Shinjuku, e para as pessoas que gostam da moda Aoyama, Omotesando, Ginza e Daikanyama marca”, explica Lisa .

 

O Japão é o paraíso dos cool hunters por sua liberdade estética e criatividade stylo urbano-4
Lolita clássica, mas há subdivisões da tribo como a gótica, sweet ou decolitas.

As tribos urbanas são muito populares, existem as “Lolitas” que se vestem como bonecas francesas, as “Ganguro” tem a pele bronzeada artificialmente com maquiagem branca e tingem o cabelo de loiro, e a “Visual Kei” usam roupas andróginas com cores brilhantes. Quem melhor ilustra essas subculturas é a coolhunter La Carmina que é especialista em moda japonesa estilo Gótica Punk Lolita e Visual Kei. Através de seu blog, ela ensina onde essa moda alternativa pode ser encontrada nos bairros da moda de Tóquio.

“Os lugares mais interessantes são Shibuya e Harajuku, onde se encontram adolescentes, e para os universitários ou trabalhadores jovens o melhor local são Shibuya e Shinjuku, e para as pessoas que gostam de marcas de moda, o melhor lugar é Aoyama, Omotesando, Ginza e Daikanyama explica Lisa Kobayashi da Cool Japan .

O Japão é o paraíso dos cool hunters por sua liberdade estética e criatividade stylo urbano-5

Cidades como Tóquio se converteram em autênticas passarelas de moda, como ilustra o site de moda de rua, Tokyo Fashion, embora as tribos urbanas estão frequentemente concentradas em locais específicos que frequentam. Apesar de toda sua originalidade estilística, “os japoneses não acham que avançaram na moda pois as revistas sempre falam sobre Paris, Milão, Londres e Nova York“, diz Lisa.

O Japão é o paraíso dos cool hunters por sua liberdade estética e criatividade stylo urbano-6

Mas a realidade mostra que no Ocidente há uma crescente onda de “Japofans“, formado por jovens europeus seduzidos pela cultura japonesa que imitam suas roupas, moda e cultura. Na verdade, Barcelona é o epicentro do movimento japonês na Espanha, de acordo com  um relatório do La Vanguardia, como a capital catalã que mais oferece lojas de decoração, comida, moda,espaços culturais, conferências e encontros dos amantes do Japão e também hospeda o Salão Manga, o segunda maior do mundo.

O Japão é o paraíso dos cool hunters por sua liberdade estética e criatividade stylo urbano-8

Mas não é só isso, os adolescentes europeus começam a se “japonizar”, e é cada vez mais comum ver meninas com meias altas, saias de faculdade, bolsas cheias e plataformas. “O Japão mostra que não só marca tendência, mas também as impõe para o resto do mundo“, disse a estilista da marca Desigual, a americana Misha Janette.

O Japão é o paraíso dos cool hunters por sua liberdade estética e criatividade stylo urbano-10
A estilista da marca Desigual, a americana Misha Janette se veste com um estilo Japonizado e tornou-se um ícone da moda no Japão.

As tendências que surgem no Japão acabam se espalhando para o restante do mundo através dos coo hunters. A moda é fortemente nostálgica, e sempre volta no passado, mas a tendência mais recente ou micro tendência tem a ver com os primeiros anos da nossa vida. O babycore ou kidcore é uma maneira de se vestir com roupas que imitam o universo infantil com formas confortáveis, relaxadas e cores primárias chamativas com estampas de quadrinhos.

Tudo começou com veado Bambi que a Givenchy  apresentou para seu Outono/Inverno 2013. Logo, as editoras de moda como Anna dello Russo e Carine Roitfeld se deixam ser fotografadas com a blusa estampada e começou a onda que resgatou desenhos e personagens da infância.

O Japão é o paraíso dos cool hunters por sua liberdade estética e criatividade stylo urbano-11

Depois do veado da Disney, veio a proposta mais engraçada da Moschino. Conhecido por sua criatividade e imaginação, Jeremy Scott propôs para o Outono/Inverno 2014-15 estampas do personagem Bob Esponja para desafiar os limites impostos para a idade adulta. Jeremy Scott logo se tornou precursor dessa tendência e está determinado a nos vestir como crianças e prestar homenagem à cultura pop mais colorida. E neste Outono/Inverno ele se manteve fiel à estética kidcore. Daí a proposta para a moda masculina, quebrando estereótipos, predomina o rosa chiclete e não faltou também ursos de pelúcia.

O Japão é o paraíso dos cool hunters por sua liberdade estética e criatividade stylo urbano-12

Seguindo a Moschino, outras marcas apresentaram coleções coloridas que as crianças adorariam. Exemplo disso é encontrado na proposta da Red Valentino, Jacquemus, Rachel Antonoff, Meadham Kirchhoff, Agi & Sam, KriziaRobustella, Mira Mikati entre outros.

O Japão é o paraíso dos cool hunters por sua liberdade estética e criatividade stylo urbano-13
Desfile masculino da Agi & Sam da coleção O/ I 15-16 e bolsa lego da Agabag foi introduzido pela Chanel em 2013.

O termo kidcore foi criado por Matt Star, que não é um editor de moda nem um coolhunter mas um cara comum, que com seu amigo e designer Bryn Taubensee, decidiu aumentar o tamanho de sua roupa de infância e criar coleção “babycore”, que se caracteriza por ter padrões muito confortáveis ​​e uso de cores primárias para criar roupas de bebês em adultos.

No âmbito desta iniciativa, eles mostraram ao mundo como uma ideia pode se tornar uma tendência que é reproduzida pela mídia especializada rapidamente, ansiosa para encontrar a última moda que começa a surgir. Matt teve essa ideia talvez por algum estímulo que recebeu de em uma revista de moda pois Karl Lagerfeld, Jeremy Scott ou a cultura japonesa já estão anos à frente. Eles desempenharam o papel de Miranda Priestly.

O Japão é o paraíso dos cool hunters por sua liberdade estética e criatividade stylo urbano-14

A moda japonesa está anos à frente, e isso ninguém contesta, pois ela é extremamente vanguardista e original sem medo de ousar e extrapolar os limites do que é aceito como moda. Uma das palavras que mais representam a moda e a estética japonesa é o termo kawaii que significa algo como “fofo” ou “bonito”.

O Japão é o paraíso dos cool hunters por sua liberdade estética e criatividade stylo urbano-15
Cara Delevingne por Liz Collins para a revista Love Magazine No.12 (Outono/Inverno 14.15)

Uma palavra que está associada em muitas áreas da cultura e da moda japonesa, subculturas urbanas, que surgiram a anos atrás e que implementaram a tendência Kidcore mas exagerando seu estilo ao extremo: usar sapatos com pelúcia, decorar o cabelo com muitos clipes e acessórios e até mesmo “decorar” o rosto com adesivos e colas. Esta tendência começou a surgir nos bairros frequentados pelos adolescentes japoneses no centro de Tóquio em 2000 e teve seu boom em 2005.

Agora, o Ocidente adota essa tendência da cultura jovem japonesa para adultos, o que dá razão a frase do escritor norte-americano Joseph Heller: “Quando eu crescer, eu quero ser uma criança.” Está certíssimo pois tem coisa mais chata do que adulto?

O Japão é o paraíso dos cool hunters por sua liberdade estética e criatividade stylo urbano-16

DEIXE UMA RESPOSTA