É chocante acreditar que a escravidão ainda existe em pleno século XXI! Há 36 milhões de pessoas presas em várias formas de escravidão em todo o mundo, e 26% dos escravos são crianças. É fundamental e parte do nosso dever, fazer com que as pessoas tenham consciência da existência do trabalho escravo moderno na esperança de acabar com essa atrocidade global que existe há muito tempo na indústria da moda.

Os escravos modernos são baratos e descartáveis

A nova escravidão tem duas características principais: é barata e é descartável. Os escravos de hoje estão mais baratos do que nunca. Em 1850, um escravo médio na América do Sul custava o equivalente a US $ 40.000 em dinheiro atual. Hoje, um escravo custa cerca de US $ 90 na média mundial. (Fonte: Pessoas descartáveis:. Novos escravos na Economia Global livro grátis aqui.)

Os escravos modernos não são considerados investimento com valor de manutenção. No século XIX era difícil de capturar escravos e transportá-los para os Estados Unidos ou Brasil, mas hoje, quando alguém que está na escravidão fica doente ou ferido, eles são simplesmente descartados ou mortos.

Modern_Day_Slavery160513154-min

A ascensão de escravidão moderna

A escravidão existe há milhares de anos, mas as forças econômicas e sociais atuais através das grandes corporações, permitiram seu ressurgimento alarmante nas últimas décadas por gerarem bilhões em lucro, aumentando a vulnerabilidade das pessoas.

População: A explosão de população triplicou o número de pessoas no mundo, principalmente em países em desenvolvimento. Em muitos lugares, a população tem crescido mais rapidamente do que a economia, deixando muitas pessoas economicamente vulneráveis. Um incêndio, inundação, seca, ou emergência médica coloca-os nas mãos de agiotas sem escrúpulos que os escravizam.

Migração: Milhões estão em movimento a partir de áreas rurais pobres para as cidades, e de países mais pobres para os mais ricos, em busca de trabalho. Os traficantes são capazes de enganá-los, colocando recrutadores de trabalho como legítimos. Os migrantes são particularmente vulneráveis, eles estão frequentemente muito longe de casa, não falam a língua local, não têm recursos para voltar para casa, e não tem amigos ou familiares para confiar.

Corrupção: a corrupção do governo global, muitas vezes permite que a escravidão fique impune. Muitos agentes da lei nem sequer estão conscientes de que o trabalho forçado, onde alguém é escravizado para trabalhar para saldar um empréstimo, é ilegal. Em muitos lugares, as pessoas que estão na escravidão não têm proteção policial contra os traficantes oportunistas.

Discriminação: a desigualdade social cria vulnerabilidade econômica e social generalizada com base em fatores como gênero, raça, tribo ou casta.

De acordo com o CNN Freedom Project, a escravidão moderna é definida como “quando uma pessoa controla completamente outra pessoa, usando violência ou ameaça de violência para manter esse controle, os explora economicamente e eles não podem ir embora”.

Modern_Day_Slavery160513153-min

Atualmente, a escravidão moderna está ligada às cadeias de fornecimento nebulosas de muitas indústrias, incluindo eletrônicos, agricultura e moda. Esta indústria de 30 bilhões de dólares, de acordo com o Departamento de Estado dos EUA, é alimentada pela falta de transparência na produção não regulamentada e práticas de trabalho ilegais (isso te lembra o fast fashion?).

A escravidão no mundo da moda pode aparecer em uma variedade de formas desde a colheita do algodão, fiação da fibra em fios e na costura da roupa até chegar ao produto final. A diferença entre escravidão e do trabalho mal remunerado podem ser vagos e a indústria da moda caminha sobre uma fina linha.

00173185-min

É importante notar que muitas das grandes marcas de moda e outras empresas não têm controle total sobre suas cadeias de fornecimento, tornando assim as práticas de trabalho ilegais possível (incluindo fábricas, tráfico e servidão).

Grande parte do trabalho feito para fabricar uma coleção de roupas é repassado para vários terceirizadores e o rastreamento de todos os passos da matéria-prima até o produto final prova ser bastante difícil, tornando assim as atividades de exploração ilegais passarem despercebidas.

A organização sem fins lucrativos Free2Work vem acompanhando as marcas bem conhecidas, tais como Zara, Gap, H & M, Levi, Bershka, Pull & Bear, Forever 21 e Adidas (para citar alguns) e as classificou em uma escala de A a F de “políticas, transparência, rastreabilidade, monitorização e formação ou direitos trabalhistas“.

Poucas marcas receberam um A e a maioria delas tirou notas de D a F. Dar aos consumidores as ferramentas que eles precisam para fazer as compras certas é apenas uma parte do processo para acabar com a escravidão.

29de55e-min

Outras organizações trabalham diretamente com os governos e a indústria para combater injustiças. A Not for SaleFree The Slaves trabalham sobre a economia, ferramentas de negócios e escalas da cadeia de suprimentos para erradicar a escravidão.

A Free The Slaves acredita que “a escravidão floresce quando as pessoas não conseguem satisfazer suas necessidades básicas e a falta de oportunidade econômica, educação, saúde e um governo honesto“( é por causa desses fatores que o Brasil também tem trabalho escravo). A Not for Sale trabalha com as comunidades e indivíduos para acabar com a escravidão e exploração em todos os setores.

trabalh1-min

Outra fundação foi criada por Katie Ford, ex-CEO da Ford Models, que  procura integrar a indústria da moda com as realidades do tráfico humano e escravidão. A Katie Ford Foundation centra-se sobre o trabalho forçado, o tráfico sexual e servidão doméstica. Katie Ford traz suas experiências a partir de uma das maiores agências de modelos internacionais para a questão da escravidão já que ela sabe em primeira mão as experiências envolvidas.

Quando era CEO da Ford Models, Katie trouxe modelos de mais de 50 países para os Estados Unidos. A maioria delas eram estrangeiras e jovens, portanto, elas eram potencialmente vulneráveis. A Ford Models tem uma história de proteger as mulheres e homens jovens, fornecendo moradia, abrigo, alimentação e cuidados médicos, se necessário.

Existem, obviamente, muitos fatores que podem acabar com a escravidão moderna, mas na esperança de trazer a mudança para essa questão, saiba mais sobre as roupas que você compra e os produtos que você usa, pois de forma indireta, somo nós consumidores que financiamos essa indústria da escravidão em pleno século XXI. Já passou da hora de dar um “BASTA”definitivo nisso!

trabalho-escravo-2-min

DEIXE UMA RESPOSTA