Para o estilista britânico Christopher Raeburn, a sustentabilidade é muito mais do que uma mera tendência, pois está tão arraigada na estética de suas coleções como em seu logo de 4Rs “Reduzir, Reutilizar, Reciclar e Raeburn”. Sua coleção cápsula REMADE é a mais famosa por reutilizar todo tipo de material como botes salva-vidas de emergência, para-quedas e demais tecidos militares e os transforma numa moda upcycling moderna e desejável.

Além de reutilização e reciclagem, Raeburn também lançou a ideia de fabricar modelos que podem ser continuamente renovados para se manter atuais com as mutáveis tendências da moda incorporando velcros para que o usuário possa personalizar e atualizar a aparência de sua roupa usando seus próprios patches. Com o slogan “Remade in England”, sua linha de roupas é produzida principalmente em Londres.

A palavra “Remade” tem relação com as vidas anteriores dos tecidos e materiais comprados de todos os lugares que compõem de 15% a 30% da coleção. Os tecidos são garimpados no boca a boca, eBay, de leilões do Ministério da Defesa, centros de recolha de uniformes de trabalho e estoques antigos de fábricas de outros países como Estados Unidos, Suécia e China, que depois são desconstruídas e reconstruídas em seu ateliê.

Para garantir que tenha material suficiente para cada estilo, Raeburn limita o número de peças em 50 para todo o mundo, e sua equipe trabalha para produzir entre 600 e 900 peças de vestuário anualmente da linha Remade.

Não se limitando a suas próprias coleções, Christopher Raeburn faz colaborações com marcas famosas incluindo Moncler, Fred Perry e Victorinox, onde foi nomeado diretor artístico em Janeiro de 2013. A indústria da moda é campo de batalha difícil para qualquer marca, e muitos designers são forçados a desistir de seus sonhos. No entanto, Raeburn conseguiu perseverar e ganhar a atenção dos fashionistas mantendo seus valores éticos e estéticos.

Na vanguarda do cenário da moda sustentável de Londres desde que surgiu no início de 2000, sua empresa se tornou um raro exemplo de marca upcycled que é vendida nas multimarcas mais badaladas do mundo, por causa do design moderno e descolado de suas roupas e acessórios feitos de materiais reutilizados. O estilista trabalha em parceria com a empresa Avery Dennison que desenvolve para suas coleções enfeites externos, estampas, etiquetas de alta definição e tecidos feitos de fios de poliéster reciclado.

Em sua nova coleção de primavera/verão 2017, Raebun apresentou modelos masculinos e femininos na passarela, com uma visão influenciada pelo primeiro filme de George Lucas chamado THX 1138 lançado em 1971.  Inspirando-se nas técnicas de construção pioneiras desenvolvidas na corrida espacial, Raeburn utilizou uma paleta nos tons cinza, branco, preto, azul e laranja sobre jersey, tecidos reciclados e tecidos incomuns como o Nomex, um material industrial conhecido por suas propriedades à prova de fogo e à prova d’água, utilizado numa parka laranja brilhante com bolsos modulares e tiras de velcro além de calças e bermudas.

A moda upcycling streetwear do estilista britânico Christopher Raebun stylo urbano

O não tecido Tyvek e o material de para-quedas Airbrake foram utilizados em bermudas, jaquetas, saias, camisas e mochilas misturados com estampas de temática espacial da NASA e emblemas destacáveis ​​permitindo que o usuário pudesse misturar e combinar patches. A esperança de um futuro que realmente valoriza a sustentabilidade na moda foi enfatizada com enormes imagens fotorrealistas da superfície da lua, bem como patches, etiquetas bordadas e estampas como desenhos de astronautas, foguetes, planetas e outros motivos espaciais.

A coleção não só mostrou a proeza de Raeburn em retrabalhar materiais e tecidos dando uma linguagem super moderna e desejável, mas também nos lembra que a verdadeira sustentabilidade é uma meta que todos nós devemos impulsionar na moda.

DEIXE UMA RESPOSTA