Banana, abacaxi, maracujá, coco, maçã …… depois dessas frutas serem consumidas, seus resíduos são em grande parte descartados no lixo. E se pudéssemos converte este desperdício de resíduos alimentares em novos produtos industriais? A crescente demanda pela moda sustentável está incentivando o surgimento de novos materiais que simulam couro como também fibras têxteis. A marca Veerah investiu na produção de sapatos feitos com um laminado de cascas de maçã que substitui o couro animal e sintético.

Uma maçã por dia …… para seus pés?

A nova linha de sapatos de luxo da Veerah são produzidos com um material sustentável, que é um subproduto da fabricação de suco de maçã chamado Pellemela, criado pelo engenheiro italiano Alberto Volcan. Este processo envolve a extração de fibras a partir das cascas de maçã secas para criar um laminado biodegradável que reduz o desperdício alimentar. O resultado é um material que se parece com couro real, ainda é respirável, durável, livre de produtos químicos e também resistente aos raios UV.

Como uma alternativa ao uso de peles de animais em seus produtos, muitas marcas veganas estão agora se voltando para novos materiais feitos de resíduos de frutas e legumes, como abacaxi, uvas, cogumelos e bananas para a confecção de artigos de moda. As startups Orange Fiber, Piñatex , Vegea e MycoWorks são alguns exemplos de sucesso.

Laminado feito de resíduos de maçã é uma alternativa ao couro animal para sapatos stylo urbano-1

Um material entre o couro natural e o sintético

Tanja Schenker, fundadora da marca Happy Genie também utiliza o material Pellemela feito de resíduos de maçã em suas exclusivas bolsas de luxo feitas à mão na Itália.

O interessante desse “couro de maçã” é que sua produção utiliza somente resíduos de maçã. As maçãs são cultivadas e espremidas em Bolzano na Itália, a fibra restante é então seca e moída até virar um pó. Uma fábrica perto de Florença adiciona cor ao pó e um agente de ligação antes que seja aplicado em uma tela para produzir o material que parece couro ao receber uma gravação em relevo. Em seguida, uma empresa familiar em Varese na Itália produz cada bolsa à mão.

Hannah Michaud, fundadora da The Apple Girl considera o “couro de maçã” como um substituto para materiais derivados de combustíveis fósseis convencionais. A empresa desenvolveu um novo material para moda que também é comestível e 100% biodegradável. Hannah utiliza a biomimética para criar um material feito de resíduos da maçã que poderia ser uma alternativa sustentável para fabricar bolsas, sapatos, biojóias e também decoração.

Novo material feito de resíduos de maçã é uma alternativa ao couro animal para sapatos stylo urbano-2

DEIXE UMA RESPOSTA